O número de mortos provocados pelo ciclone Idai e pelas cheias que se seguiram subiu para 603, anunciaram esta sexta-feira as autoridades moçambicanas, em comunicado.

O novo balanço, apresentado pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), acrescenta mais uma vítima mortal, face aos números anteriores, de 6 de abril.

O ciclone Idai atingiu a região centro de Moçambique, o Maláui e o Zimbabué a 14 de março. Segundo o INGC, o número de feridos também subiu para 1.642 (mais um caso identificado).

O número de pessoas afetadas pelo ciclone Idai em Moçambique mantém-se em cerca de 1,5 milhões.

Quanto ao número de famílias que está a receber ajuda humanitária reduziu de 30.567 para 14.528, desde 6 de abril, ao mesmo tempo que o número de centros de acomodação diminuíram de 139 para 70 no mesmo período.

Nos centros de abrigo em funcionamento estão acomodadas 73.296 pessoas e o número daqueles que são considerados vulneráveis é de 41.742. O grupo de pessoas afetadas inclui todas aquelas que perderam as casas, precisam de alimentos ou de algum tipo de assistência.

As autoridades atualizaram também o número de casas totalmente destruídas, que ascende agora a 112.37.