Rádio Observador

Porto

Feira do Livro do Porto regressa em setembro e homenageia Eduardo Lourenço

De 6 a 22 de setembro o festival literário do Porto regressa aos Jardins do Palácio de Cristal e vai homenagear Eduardo Lourenço. Nuno Artur Silva será o comissário convidado para esta edição.

LUSA

Autor
  • Maria Martinho

Como já vem sido hábito, a cada edição a Feira do Livro do Porto homenageia um escritor português, batizando uma tília com o seu nome em plena Avenida das Tílias, nos Jardins do Palácio de Cristal. Depois de Agustina Bessa-Luís, Vasco Graça Moura ou José Mário Branco, chega a vez do professor e filósofo Eduardo Lourenço ser distinguido na próxima edição do evento, que acontece entre os dias 6 e 22 de setembro.

Segundo um comunicado enviado esta segunda-feira pela Câmara Municipal do Porto, o ensaísta e vencedor do prémio Pessoa em 2011 é definido como “um dos nomes maiores do pensamento português, “lecionou em universidades portuguesas, brasileiras, alemãs e francesas, ao mesmo tempo que mantinha intensa atividade entre a crítica literária e a escrita ensaística, sendo autor de meia centena de obras”.

O escritor completa 96 anos a 23 de maio e apesar de ter nascido no distrito da Guarda, tem uma ligação ao Porto “desde muito cedo”, uma vez que passou na invicta os seus “primeiros anos de vida”.

“Por isso, segundo adiantou o escritor e filósofo em entrevista a Anabela Mota Ribeiro, as memórias mais antigas que tem de si e do mundo são precisamente da cidade do Porto, onde viveu tempos da infância que o marcaram para sempre de forma indelével: “As primeiras imagens que tenho da vida são do nevoeiro, das fábricas, do nevoeiro que atiravam as chaminés””, acrescenta a nota da autarquia.

A homenagem a Eduardo Lourenço vai ser desenhada pelo argumentista, dramaturgo e antigo administrador da RTP Nuno Artur Silva, que programará também as restantes iniciativas, como lições ou debates.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS: Os Humanos

Fernando Leal da Costa

O Ministério não valoriza os seus melhores. Paradoxalmente, demoniza o recurso a todo o sistema, afunila a procura para um SNS saturado e, ao mesmo tempo, não valoriza os recursos humanos que tem.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)