Rádio Observador

Israel

Israel. Benjamin Netanyahu encarregue de formar novo governo

O líder do Partido Likud tem 28 dias para chegar a um acordo com seus parceiros para formar o governo israelita. Principal objetivo é a resolução do conflito com os palestinianos.

A cerimónia foi transmitida pela televisão israelita

JIM HOLLANDER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente israelita Reuven Rivlin encarregou esta quarta-feira Benjamin Netanyahu, líder do Partido Likud, de formar o próximo Governo, na sequência dos resultados das legislativas de 9 de abril.

Numa cerimónia, transmitida pela televisão, Rivlin dirigindo-se a Netanyahu, declarou que após consultas aos líderes dos partidos com assento parlamentar, “65 deputados [dos 120] recomendaram-vos”.

Benjamin Netanyahu fica assim encarregue de formar o próximo Governo israelita, que iniciará funções sob o signo dos problemas judiciais do primeiro-ministro e a iniciativa, esperada dos Estados Unidos, para resolver o conflito com os palestinianos.

O primeiro-ministro indigitado terá agora 28 dias para chegar a um acordo com seus parceiros com vista a constituir Governo. O prazo pode ser prorrogado por 14 dias. Netanyahu, de 69 anos, tem sido uma figura dominante a ponto de parecer imbatível, afirma a agência noticiosa France-Presse.

Caso consiga formar Governo, iniciará um quinto mandato; tendo estado no poder continuamente desde 2009, com um mandato anterior entre 1996 e 1999, e poderá bater em julho o recorde de longevidade de David Ben Gurion, fundador do Estado de Israel.

À frente do Governo mais direitista da história de Israel, entre 2015 e 2019, Netanyahu liderará uma coligação de direita, composta por formações mais ou menos radicais e mais ou menos religiosas, e de partidos ultraconservadores, segundo a AFP. Os ortodoxos representam 10% dos israelitas que observam rigorosamente as regras do judaísmo.

“Eu serei o primeiro-ministro de todos”, disse Netanyahu na terça-feira, usando um tom unificador num brinde com os apoiantes, depois de uma campanha em que seu partido, o Likud, multiplicou os ataques pessoais contra seu principal concorrente, o general Benny Gantz, e utilizou preconceitos antiárabes.

A AFP antecipa que Netanyahu terá a tarefa delicada de conciliar as exigências e os interesses contraditórios dos seus futuros aliados, começando com o partido nacionalista e secular Israel Beiteinou e os partidos ultra-ortodoxos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)