Rádio Observador

Rep Democrática do Congo

“A selfie do ano”: no Congo, há duas gorilas que posam para fotografias como autênticos humanos

1.518

Resgatadas em bebés por dois guardas-florestais, habituaram-se ao comportamento humano e agora, em fotografia, imitam o que aprenderam com os seus novos "progenitores".

A selfie foi partilhada por um dos guardas do Parque Nacional de Virunga no Facebook

The Elite AntiPoaching Units And Combat Trackers.

Para Mathieu Shamavu foi apenas “mais um dia no escritório”. O guarda-florestal do Parque Nacional de Virunga, na República Democrática do Congo, tirou uma selfie com duas gorilas em poses humanas e a foto tornou-se viral depois de ter sido publicada no Facebook.

As gorilas, Ndakazi e Ndeze, foram resgatadas ainda em bébés por dois guardas que pertencem a uma equipa de 600 trabalhadores que lutam para garantir a segurança dos animais, numa área de conflitos armados e caça furtiva. Mathieu Shamavu pertence ainda ao grupo “Elite Anti-Poaching Trackers And Combat Trackers”, uma unidade anti-caçadores.

ANOTHER DAY AT THE OFFICE…Photo: Ranger Mathieu Shamavu (c)NOTE: UNAUTHORIZED USE OF THIS PHOTO WILL BE REPORTED TO FACEBOOK

Posted by The Elite AntiPoaching Units And Combat Trackers. on Thursday, April 18, 2019

Os gorilas habitam numa unidade especial do parque, património mundial da UNESCO, no Congo. O diretor do Parque Nacional de Vriunga, Innocent Mburanumwe, referiu que as mães de Ndakazi e Ndeze foram mortas por caçadores em 2007, quando as gorilas tinham apenas alguns meses de vida. Mburanumwe destacou ainda que os dois animais aprenderam a imitar comportamentos humanos com os dos guarda-florestais, que cuidam dos animais desde a sua infância.

“Estas raparigas são muito descaradas, por isso esta foto capta na perfeição a sua verdadeira personalidade!”, referiu o parque no Instagram. A publicação esclarece ainda que “não é surpresa ver estas fêmeas a andar em pé”, visto que “a maioria dos primatas se sente confortável a caminhar durante curtos períodos de tempo”.

ABC

O parque é casa de 22 espécies de primatas e funciona com um autêntico santuário. Cerca de um terço da população mundial de gorilas-das-montanhas, altamente ameaçados de extinção, habita nas florestas vulcânicas do parque.

As fotografias obtiveram mais de 20 mil partilhas e quase 30 mil gostos no Facebook. No Twitter, Yvonne Ndege, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados no Quénia, descreveu a fotografia como “a selfie do ano”.

O Parque Nacional de Virunga tem sensibilizado a população para os perigos que estes animais enfrentam e fez agora um pedido especial de contributos para a preservação da vida selvagem do parque. “Conservar a fantástica vida selvagem de Virunga é um desafio constante para o parque e não seria possível sem o vosso apoio”, refere a administração no Instagram.

Na República Democrática do Congo, os conflitos entre forças do governo e grupos armados põem em causa a preservação dos animais e dificultam o trabalho dos guardas-florestais. Os grupos armados ocupam o parque florestal, caçam os gorilas e ameaçam os trabalhadores que tentam proteger as espécies. Segundo a BBC, 130 guardas-florestais foram mortos em Virunga desde 1996 e, apenas no ano passado, cinco guardas foram assassinados, numa emboscada de rebeldes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)