Rádio Observador

País

Portugal pode colmatar “necessidades” da investigação científica em Angola

O secretário de Estado do Ambiente de Angola afirmou que o país tem grandes dificuldades no campo da investigação científica e quer uma tutela com Portugal para formação e aumento de capacidades.

Joaquim Lourenço Manuel anunciou parceria durante a Conferência Internacional do Parque, no Porto

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário de Estado do Ambiente de Angola afirmou esta quarta-feira que, apesar das “grandes” dificuldades em desenvolver a investigação científica no país, algumas “necessidades” podem vir a ser “suprimidas” através de parcerias com instituições portuguesas.

“O Ministério do Ambiente deu conta de que temos quatro grandes áreas para desenvolver; estamos a falar da área da diversidade, da adaptação às alterações climáticas, da fiscalização e da implementação de novas tecnologias. E, juntamente com a visão que temos da gestão sustentável desses recursos, demos conta que nos falta algo, que já começámos, mas que temos grandes dificuldades em implementar que é a investigação científica”, apontou esta quarta-feira Joaquim Lourenço Manuel.

O secretário de Estado do Ambiente, que falava durante a Conferência Internacional do Parque, iniciativa que arrancou esta terça-feira e prossegue esta quarta-feira na Fundação de Serralves, no Porto, afirmou que a tutela tem como objetivo “suprimir as necessidades” relativas à investigação, e que por isso, juntamente com o Ministério do Ensino Superior de Angola, estão a criar “novas parcerias” nacionais e internacionais.

“A questão da investigação em Angola está a ter um outro paradigma, uma nova exigência”, frisou, acrescentando que este novo contexto exige a “criação de capacidades” e a formação dos futuros investigadores.

Temos muito pouca oferta formativa, daí a nossa necessidade em ter parcerias com a Universidade do Porto para a formação de vários especialistas. Por outro lado, vemos também que as instituições portuguesas nos podem ajudar a desenvolver mais investigação, para a qual Angola ainda não tem capacidade”, disse.

Segundo Joaquim Lourenço Manuel, um dos grandes focos do Governo de Luanda tem vindo a ser o desenvolvimento de uma “agricultura de conservação”, prevendo juntamente com o Ministério da Agricultura de Angola criar “uma cultura de água doce” de modo a diminuir a pressão nas lagoas e no mar e incentivar a criação de “florestas energéticas” para diminuir a pressão sobre as florestas nativas.

“Necessitamos de um espectro muito amplo de investigação, com um grande objetivo, a gestão sustentável dos recursos da biodiversidade”, realçou o secretário de Estado angolano, avançando que as sinergias com Portugal, um “parceiro confiável e antigo”, podem ajudar nesse sentido.

Durante a sessão, Joaquim Lourenço Manuel revelou ainda que no decorrer deste ano vai ser estabelecida uma parceria com o Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO) da Universidade do Porto, que visa a construção de um laboratório científico no Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação (INBAC).

Gostaríamos de continuar com esta parceria entre países, o CIBIO-InBIO vai ser uma das primeiras instituições, mas não vai ser a última”, concluiu.

O segundo dia da Conferência Internacional do Parque, uma iniciativa que visa trazer a debate os desafios relacionados com a conservação da biodiversidade da África Austral e o seu desenvolvimento sustentável, ficou também marcado pelo lançamento da Cátedra UNESCO Life on Land, que tem como objetivo a proteção ambiental e preservação de recursos em África.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Salazar

O lugar do morto /premium

Helena Matos
203

Em Santa Comba, a imagem da campa rasa de Salazar tem uma clara leitura política: morreu pobre o homem que esteve 40 anos no centro do poder em Portugal. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)