Rádio Observador

Web Summit

Continuidade da Web Summit na FIL em risco. Câmara (ainda) disposta a pagar obras no espaço

339

A autarquia de Medina estava disposta a pagar as obras de ampliação da FIL, mas com contrapartidas. Há impasse nas negociações e já se estudam novas alternativas à FIL na Foz do Trancão e Carnide.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A visita no final do passado mês de abril, publicitada pelo próprio Paddy Cosgrave, fez levantar algumas sobrancelhas. O fundador da Web Summit veio mais uma vez a Portugal e revelou, a 29 de abril, que o intuito da visita passava por visitar “espaços ao ar livre” que pudessem acolher grandes eventos e feiras “fora da semana da Web Summit”, pedindo às pessoas para imaginarem que Lisboa teria “um centro de conferências inteiramente novo”.

Afinal, a procura por terrenos terá tido outra motivação, revela o semanário Expresso: o impasse nas negociações entre Câmara Municipal de Lisboa e a dona da FIL – Feira Internacional de Lisboa (Fundação AIP) sobre o plano de ampliação do espaço nos próximos anos. Este impasse pode colocar em risco a realização da conferência na FIL, não neste ano mas no futuro, aponta ainda aquele semanário.

Para garantir a continuidade em Portugal da Web Summit, uma das maiores conferências anuais de empreendedorismo e tecnologia do mundo, as autoridades públicas portuguesas — nomeadamente o Governo e a Câmara Municipal de Lisboa — comprometeram-se com a ampliação da FIL, onde o evento decorre desde 2016. Essas obras fariam com que o recinto passasse dos atuais 41 mil metros quadrados para 90 mil metros quadrados de exposição permanente até 2021. Este compromisso foi feito com a concordância da Fundação AIP, que é proprietária do espaço de conferências lisboeta, garante a CML. No entanto, essa ideia pode estar em risco.

Em causa está um alegado “braço de ferro” entre o presidente da autarquia, o socialista Fernando Medina, e Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Embora as negociações continuem a decorrer, fala-se nos bastidores em “ambiente a ferro e fogo”, diz o Expresso.

As divergências passam pelo plano de ampliação da FIL. A CML até estava disposta a pagar as obras, mas queria — além de definir os prazos e o grau do alargamento — que o seu investimento fosse “convertido em capital social da Fundação AIP”, ficando a “mandar” na FIL (segundo o semanário). O valor não é revelado oficialmente, até porque dependeria “do acordo quanto à dimensão do projeto, da participação da Fundação AIP ou de outra entidade”, mas uma “fonte conhecedora” apontou um valor ao Expresso: 30 milhões de euros.

As pretensões da autarquia estarão a esbarrar nas pretensões da Fundação AIP, dona da FIL, que quer um plano de ampliação mais longo, mais caro e em moldes distintos. Jorge Rocha de Matos, que preside à AIP, prefere que a câmara lisboeta funcione como “garante de um empréstimo” a contrair pela Fundação junto da banca, em vez de pagar diretamente as obras. A preferência dever-se-á, desde logo, à vontade de que a CML não fique a mandar na FIL. Mas não só: a AIP quer que a dimensão FIL aumente não para 90 mil metros quadrados de exposição permanente, mas para 111 mil metros quadrados. Os custos estimados são também muito maiores — 150 milhões de euros — e as obras deveriam ficar concluídas em “dez anos”.

A visita de Paddy Cosgrave a Portugal terá, por isso, funcionado também como “ponderação de locais alternativos” para a realização na Web Summit, caso a CML e a dona da FIL não cheguem a acordo. Já se terá discutido a possibilidade da realização da Web Summit na Foz do Trancão, localizada entre os concelhos de Lisboa e Loures — por reabilitar a curto prazo, já que serão ali realizadas as Jornadas Mundiais da Juventude daqui a dois anos —, e num “espaço junto à Feira Popular, em Carnide”. Num ou noutro espaço, teria de ser instalado um novo centro de exposições, que poderia receber a Web Summit e “outros certames”. Também se terá discutido a possibilidade Pedrouços, entre Lisboa e Oeiras, mas a opção foi entretanto descartada. Fonte da CML confirmou ao Expresso que “alguns dos locais [visitados por Paddy Cosgrave] foram esses”.

Este ano e no próximo ano, está previsto que a FIL aumente a sua dimensão de 41 mil metros quadrados de exposição permanente para 53 mil metros quadrados, a que se deverão somar 18 mil metros quadrados de “área de exposição temporária”.

Além de garantir a existência de um espaço com as dimensões exigidas pela organização da Web Summit, o governo e a autarquia lisboeta comprometeram-se a investir 111 milhões de euros (11 milhões de euros por ano) para manter a feira de empreendedorismo e tecnologia em Portugal. O financiamento público virá do Turismo de Portugal, IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. e Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa (alimentado pelas receitas geradas pela taxa turística paga por quem visita a capital portuguesa).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
118

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)