Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Em 2007, o comentador Marcelo elegeu o comendador Berardo figura do ano

19.067

Na altura comentador político televisivo, Marcelo Rebelo de Sousa elegeu Joe Berardo a figura do ano 2007 na economia portuguesa, pelo papel que tinha tido na definição do futuro do BCP.

Marcelo Rebelo de Sousa elegeu Joe Berardo como figura do ano na economia nacional em 2007. Na altura, o comentador político utilizou o seu espaço de opinião na televisão para distinguir o comendador Joe Berardo pelo papel decisivo que tinha tido na definição do futuro do BCP, um grande banco nacional que no verão de 2007 entrou num período de crise com o confronto aberto entre o fundador Jardim Gonçalves e Paulo Teixeira Pinto, outrora o seu “delfim”.

Foi a 16 de dezembro de 2007, como recordam as notícias em arquivo do Correio da Manhã. Além do envolvimento na luta pelo poder no BCP, Marcelo acrescentava que o investidor madeirense merecia a distinção pelo papel relevante na área da cultura, com a abertura do Museu de Arte Contemporânea.

Nos últimos anos percebeu-se, porém, que o grosso do investimento de Joe Berardo nas ações do BCP — que lhe garantiram a influência que teve no derrube de Jardim Gonçalves — foi feito graças a créditos que foram concedidos pelo banco público, a Caixa Geral de Depósitos, créditos cujas condições (na concessão e nas sucessivas reestruturações) foram escrutinadas pela auditoria da EY sobre a gestão da CGD entre 2000 e 2015, que está em discussão na comissão parlamentar de inquérito.

No âmbito dessa comissão parlamentar de inquérito, o empresário Joe Berardo falou na sexta-feira passada sobre a derrocada do valor das ações que se seguiu — reconhecendo que foi o pior negócio que fez na sua vida (“um desastre”) mas salientando que as dívidas que foram contraídas não são “pessoalmente” suas mas, sim, da Fundação Berardo e de entidades relacionadas com o comendador.

Em 2007, Berardo teve um pico de atenção mediática, também com o lançamento da OPA sobre as ações do Benfica, mas dizia que continuava “à espera do dia que as pessoas percebam que o dinheiro não é tudo na vida”. “Não sou tão importante como Gulbenkian, mas quase, no sentido em que tenho ajudado muita gente com bolsas de estudo”, acrescentava o comendador.

Na altura, era José Sócrates primeiro-ministro, Berardo defendia que “Portugal precisa de um primeiro-ministro com a coragem dele para dar uma reviravolta ao país. Se queremos acompanhar a competititvidade do mundo, temos que ter líderes como ele [Sócrates] senão estamos tramados”.

No mesmo dia em que elegeu Joe Berardo como grande figura no meio empresarial, Marcelo Rebelo de Sousa escolheu, também, Aníbal Cavaco Silva como principal personalidade na área política, em 2007, porque tinha sido um ano em que Cavaco “não cometeu erros”. Marcelo viria a suceder a Cavaco Silva na presidência em 2016.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins
133

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)