Trabalho

Tribunal da UE quer que empresas registem hora de entrada e saída dos trabalhadores para facilitar pagamento de horas-extra

517

Um acórdão do Tribunal de Justiça da União Europeia determinou que cada país deve criar legislação que obrigue empresas a registar horário completo, para facilitar pagamento objetivo de horas-extra.

Espanha pôs em vigor uma lei semelhante esta semana e o Ministério do Trabalho aconselha a que pausa para café ou para fumar não contem como trabalho

MARIO CRUZ/LUSA

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) emitiu um acórdão em que pede aos Estados-Membros que imponham às empresas a “obrigação” de medirem as horas de serviço diário de cada trabalhador, de forma a facilitar o pagamento de horas-extra de uma forma objetiva. Ou seja, um espécie de sistema de controlo, como o que obriga a picar o ponto.

“Os Estados-Membros devem impor às entidades patronais a obrigação de estabelecer um sistema objetivo, fiável e acessível que permita medir a duração do tempo de trabalho diário prestado por cada trabalhador”, lê-se no acórdão. “Cabe aos Estados-Membros definir as modalidades concretas de implementação de tal sistema, em especial a forma que este deve revestir, tendo eventualmente em conta as particularidades próprias de cada setor de atividade em causa, ou mesmo as especificidades, nomeadamente, da dimensão de certas empresas.”

O TJUE explica ainda que nas situações em que não é medida a duração do tempo de trabalho diária “não é possível [medir] de forma objetiva e fiável nem o número de horas de trabalho assim efetuadas e a sua repartição no tempo nem o número de horas extraordinárias”. Nesse caso, continua o acórdão, é “excessivamente difícil, senão impossível na prática, que os trabalhadores façam respeitar os seus direitos”.

Acórdão com sotaque espanhol

Este assunto chegou ao TJUE após ele ter sido discutido em duas ocasiões distintas — mas interligadas — em Espanha.

A primeira ocasião foi em 2017, quando a confederação sindical Comisiones Obreras moveu uma ação contra o Deutsche Bank, acusando-o de não respeitar a legislação nacional e também a Carta dos Direitos Fundamentais da UE  ao não registar o horário de entrada e também de saída dos seus trabalhadores. O Deutsche Bank alegou que esse registo não era imposto pela lei espanhola e acrescentou ainda que era possível fazer o registo de horas extra se, no final de cada mês, cada trabalhador as comunicasse aos seus superiores. Ainda assim, a Audiencia Nacional comunicou ao TJUE que 53,7% das horas extraordinárias realizadas em Espanha não eram registadas.

A segunda ocasião deu-se nas últimas 48 horas, já que no domingo entrou em vigor uma lei aprovada por decreto pelo governo de Pedro Sánchez que dita precisamente a obrigatoriedade de as empresas registarem a hora de entrada e de saída dos seus trabalhadores. A recomendação do Ministério do Trabalho é que, além das pausas para almoço ou jantar, sejam também contabilizados os momentos em que os trabalhadores param para fumar ou beber um café, para que não sejam reconhecidas como horário de trabalho per se.

O decreto-lei espanhol aplica-se a todos os setores e cargos, com duas exceções: artistas e cargos diretivos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Trabalho

Psst, psst… O burnout anda por aí /premium

Teresa Espassandim

Quando o stress laboral se torna crónico e o ambiente entre colegas é conflituoso e nada colaborativo, o nosso envolvimento reduz-se à medida que o negativismo aumenta e o cinismo se torna recorrente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)