Rádio Observador

PCP

PCP reconhece mau resultado mas mantém estratégia

571

O Comité Central do PCP esteve reunido esta terça-feira para analisar a situação política e os resultados das europeias. Não foi o esperado, mas a culpa não é do partido. Estratégia é para manter.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os resultados de domingo foram muito castigadores para a CDU, que esteve até à última a disputar o último eurodeputado com o PS. Foi o pior resultado que os comunistas já obtiveram em eleições europeias e havia ilações a retirar na reunião do Comité Central que estava agendada para esta terça-feira. A principal razão encontrada por este órgão do partido para os maus resultados foi apresentada por Jerónimo de Sousa ao fim da tarde. E é clara: foram as circunstâncias que mudaram. Isso e a “campanha de difamação de alguns órgão de comunicação social”, que estavam “claramente articulados” para prejudicar e denegrir a imagem do PCP. Aqui não há lugar para mea culpa.

Os resultados não correspondem ao que se exigia de necessidade de reforço da CDU nem ao reconhecimento do trabalho dos eleitos do PCP”, identificou Jerónimo de Sousa. “Em 2014 a CDU teve o melhor resultado dos últimos 25 anos”, lembrou para sublinhar a ideia de que era difícil fazer melhor.

Nesse ano, como recordou, o partido estava na oposição e o país estava sob alçada da troika. Agora, faz parte de uma solução de Governo e Portugal tem crescido. “Admito que o PS tenha capitalizado as conquistas desta legislatura”, reconhece. Mas isso não significa que os eleitores do PCP vejam um problema na aproximação ao PS. Pelo menos aos olhos do Comité Central, que, segundo Jerónimo de Sousa, identificou algumas causas para a queda nas urnas, mas nenhuma relacionada com a “geringonça”.

E diz mais: “Não estamos arrependidos e voltaríamos a fazer o mesmo”. A estratégia é mesmo para manter. “É este caminho que se impõe prosseguir, desde já e até ao fim da legislatura, (…) mas sobretudo para garantir que no futuro próximo não se volte ao caminho do retrocesso político, económico e social”.

Desde que o PCP aceitou dar a mão ao PS para que os socialistas pudessem formar Governo que o partido tem tido maus resultados eleitorais. Foi assim em outubro 2017, nas autárquicas, e voltou a acontecer este domingo, nas europeias. Mas para os comunistas não há correlação entre as duas coisas. Até porque, acredita Jerónimo de Sousa, “não haverá uma mimetização dos resultados de europeias nas legislativas”.

Recordou que foi apenas com “a força da CDU” que foi possível ir mais longe em matérias em que o PS não queria avançar. “Desenganem-se os agoirentos do costume. Desenganem-se os que apostaram tudo contra o PCP e a CDU porque sabem que é em nós que reside a força capaz de fazer avançar os direitos dos trabalhadores e do povo”, afirmou.

Só a muito custo e depois de uma grande insistência dos jornalistas é que o líder comunista apontou uma outra causa além das “circunstâncias específicas” do ato eleitoral de domingo passado: “uma campanha, que dura há oito meses, feita por centros de decisão claramente articulados para atingir a nossa honestidade e competência. Sobretudo a nossa honestidade”. E muitos casos “com base apenas em suspeições”. Os culpados “foram alguns órgãos de comunicação social”. Mais uma vez, o PCP não teve culpa.

Para fazer esquecer rapidamente estes resultados, o secretário-geral do PCP anunciou que as listas de deputados para as eleições legislativas devem ficar fechadas em breve. E quis dar uma “prova de mobilização” do partido ao anunciar três grandes comícios agendados para o início do mês: a 1 de junho em Setúbal, a 2 de junho em Lisboa e a 8 de junho, no Porto.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
PCP

PCP: partido liberal falhado?

José Miguel Pinto dos Santos
6.765

Será então que a proposta eleitoralista de taxar depósitos acima de 100 mil euros um desvio liberal de um partido warxista? De modo algum. Não só é iliberal como irá agravar a próxima crise económica.

Assembleia Da República

Atentados às crianças /premium

Maria João Marques

Não vejo bem como defender um quadro legal que permite que o agressor continue a contactar a vítima criança, muitas vezes usando-a para atormentar a mãe (o que também atormenta a criança).

Maioria de Esquerda

A síndrome Maria Heloísa /premium

André Abrantes Amaral

Não pensem que a maioria absoluta livra o PS do BE ou do PCP. Tanto um como outro são já parte integrante do PS que recebeu de braços abertos membros que, noutras eras, teriam aderido ao PCP ou ao BE.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)