Rádio Observador

Eletricidade

Reduzir potência de eletricidade permite poupar pelo menos 22 euros por ano

164

Pode estar a pagar mais do que devia de acordo com a potência contratada. Agora já tem um simulador online para fazer as contas e ver se precisa mesmo daquela potência.

Os escalões de potência mais frequentes em Portugal são 3,45 kVA, com 45% dos consumidores, e 6,9 kVA, com 25% dos consumidores

ANT

Autor
  • Agência Lusa

A redução da potência do contador de eletricidade pode permitir às famílias poupanças anuais de pelo menos 22 euros, segundo o novo simulador da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) que é lançado esta quarta-feira.

Quanto mais elevada é a potência contratada escolhida pelos consumidores, quando celebram um contrato de eletricidade, maior é o número de equipamentos elétricos que podem estar ligados ao mesmo tempo, mas com um custo mais pesado desta componente na fatura da eletricidade.

“É da maior importância que os consumidores tenham uma potência adequada ao número de equipamentos elétricos que ligam ao mesmo tempo em casa”, considerou a presidente da ERSE, Cristina Portugal, realçando que a expressão “chave é ‘ao mesmo tempo'”.

O simulador que o regulador disponibiliza a partir desta quarta-feira, assinalando o Dia Mundial da Energia, na sua página da internet (www.erse.pt), recomenda o valor de potência a contratar pelos clientes de baixa tensão normal e com instalações elétricas monofásicas, e fornece informação sobre o valor que pode poupar com essa redução do nível de potência.

“Se o consumidor baixar uma escalão na sua potência contratada poderá conseguir uma poupança de pelo menos 22 euros por ano”, refere a ERSE, adiantando que “essa poupança poderá ser ainda maior caso reduza a potência contratada até 3,5 kVA, beneficiando ainda da diminuição da taxa do IVA de 23% para 6% a partir de 01 de julho em Portugal continental”.

Na prática, o novo simulador permite ao consumidor identificar os equipamentos elétricos que precisa de utilizar em simultâneo — por exemplo, o frigorífico, a televisão e a máquina de lavar loiça — para perceber qual é a potência mais adequada no seu caso.

Como ponto de partida, o simulador apresenta cinco exemplos de utilização de equipamentos, que correspondem a cinco escalões de potência contratada diferentes (dos 3,45 kVA a 10,35 kVA), podendo adaptar os exemplos, adicionando ou eliminando equipamentos, bem como editando a potência de cada um deles, obtendo um resultado mais próximo do real.

Num encontro com jornalistas, Hugo Coutinho, da Direção de Tarifas e Preços da ERSE, deixou o alerta: “se o quadro elétrico nunca se desliga, o consumidor pode baixar a potência contratada”, de forma a conseguir baixar a fatura de eletricidade.

Para o efeito, os consumidores têm que fazer o pedido ao comercializador de eletricidade, que se articula com o operador da rede de distribuição (EDP Distribuição) para proceder a esta mudança que é gratuita.

Em princípio, a alteração de potência implica a visita de um técnico, excetuando-se se o contador for inteligente, e estiver ligado a uma rede inteligente, em que a operação pode ser feita remotamente.

De acordo com dados da ERSE, os escalões de potência mais frequentes em Portugal são 3,45 kVA, com 2,8 milhões de consumidores (45% do total), e 6,9 kVA, com 1,6 milhões de consumidores (25% do total).

Apenas os consumidores de baixa tensão — famílias e pequenos negócios — têm que escolher um escalão de potência contratada, uma vez que os consumidores em níveis de tensão superiores são faturados de acordo com a potência máxima registada nos últimos 12 meses.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)