Rádio Observador

Corrupção

Advogado de autarca de Barcelos promete rasgar cédula de advogado se o seu cliente for condenado

146

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, recusou no Tribunal de Instrução Criminal a prática dos crimes que levaram à sua detenção no âmbito da operação "Teia".

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, recusou perante o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) a prática dos crimes que levaram à sua detenção no âmbito da operação “Teia”, disse o seu advogado.

O testemunho, de duas horas e meia e que prossegue à tarde, “correu bem” e o autarca “está a destruir pedra sobre pedra, as suspeitas que sobre ele impendem”, disse o seu advogado, Nuno Cerejeira Namora, que falava aos jornalistas num intervalo para almoço.

O autarca socialista de Barcelos e um dos cinco vice-presidentes da Associação Nacional de Municípios Portugueses foi o primeiro dos quatro arguidos do processo a ser chamado a depor perante o juiz de instrução Artur Guimarães, a fim de lhe serem fixadas as medidas de coação.

Nas suas declarações, Nuno Cerejeira Namora garantiu que rasga a sua cédula profissional de advogado se o presidente da Câmara de Barcelos for condenado no âmbito deste processo.

“Se ele apanhar alguma condenação, eu rasgo a minha cédula profissional”, disse Cerejeira Namora, a respeito do seu cliente, ao mesmo tempo que exibia aquele título perante as câmaras de televisão.

O causídico disse que “é para rir” a imputação feita ao seu cliente de que celebrou em 2009 um contrato com a agência de comunicação da coarguida Manuela Couto para supostamente obter um favor 10 anos depois, e que se traduzia no fornecimento de um contacto do secretário de Estado da Internacionalização.

Depois de se saber que todos os arguidos manifestaram intenção de falar ao TIC, Nuno Cerejeira Namora admitiu que os interrogatórios se prolonguem para além do desta sexta-feira, pelo menos até sábado.

“À cautela, já cancelei o que tinha previsto para o fim de semana”, disse à agência Lusa.

Os quatro detidos na operação “Teia” chegaram esta 6.ª feira pelas 10:06 ao TIC para o primeiro interrogatório judicial.

Na quinta-feira já tinham estado naquele tribunal para identificação e os seus advogados puderam consultar os autos.

Os arguidos são os presidentes das câmaras de Barcelos, Miguel Costa Gomes, e de Santo Tirso, Joaquim Couto (ambos autarcas socialistas), o presidente do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, Laranja Pontes, e a empresária Manuela Couto, administradora da W Global Communication, que já tinha sido constituída arguida em outubro, no âmbito da operação “Éter”, relacionada com o Turismo do Norte.

Os quatro arguidos foram todos detidos na quarta-feira, no âmbito da operação “Teia”, que se centra nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos, bem como no IPO/Porto, e investiga suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio, traduzidas na “viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto”, segundo comunicado da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária, o órgão de polícia criminal que apoia o Ministério Público neste caso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)