Rádio Observador

Presidência da República

Marcelo diz que não é tempo de “autocontemplações” só porque a Europa escapou a cataclismos

O Presidente da República comentou os resultados das eleições europeias alertando para o facto de ser prioritário aos europeístas ocupar o "vazio displicentemente criado".

RUI OCHOA/PRESIDÊNCIA DA REPÚB/LUSA

O Presidente da República afirmou nesta quinta-feira à noite, no Porto, que “não é tempo de autocontemplações”, apenas porque a Europa escapou a “cataclismos anunciados”, salientando que há prioridades que devem ser retomadas antes que outros preenchem o “vazio displicentemente criado”.

“Este não é tempo para autocontemplações, só porque escapámos de cataclismos anunciados. Porque importa compreender que um número apreciável de europeus adotou uma postura bem mais radical e numericamente conclusiva, porventura assinalando que esperam de todos nós melhor ainda do que tem sido a Europa para o seu quotidiano”, afirmou, comentando os resultados das eleições europeias de 26 de maio.

Para o chefe de Estado, é “revelador” que os portugueses tenham sufragado de forma “contundente” a escolha europeia, “sobretudo num tempo em que tantos, de fora da Europa, tudo têm feito para a dividir e enfraquecer”, porque “ela própria, vezes demais, se encarregou de facilitar tais propósitos, desunindo-se no acessório, alimentando razões de queixa no crucial, pelo atraso e displicência, pela quase sobranceria no lidar com os europeus”.

Segundo o Presidente da República, continuar a acreditar na Europa “é prova de sensatez e de realismo”, e o reconhecimento de que “é preferível melhorar o que existe e exigir mais, muito mais, a tudo deitar a perder na vida de todos os dias”.

“Esta é a primeira lição do sucedido há menos de uma semana. Mas as lições a retirar vão mais fundo”, sublinhou.

Olhando para a nova composição do Parlamento Europeu, “ela demonstra que a temida convulsão radical não ocorreu, mas também que há desejos de mudança e indicadores de alerta” para outra proximidade das pessoas e outra atenção a novas necessidades, anseios e pretensões, acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

“Em suma, serena confiança pela existência confirmada de uma maioria clara e inequívoca que em Portugal acredita na Europa, mas do mesmo modo despertar para desafios, desilusões, indignações, prioridades a retomar que deverão ser, desde logo, assumidas pelos que mais se dizem europeístas, antes que outros preencham o vazio, entretanto, displicentemente criado”, declarou.

Marcelo Rebelo de Sousa falava num jantar no Palácio da Bolsa com cerca de 300 personalidades, ligadas ao setor empresarial, autárquico, académico e económico, membros da Associação Comercial do Porto, entidade a quem atribuiu o título de membro honorário da Ordem do Infante D. Henrique.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)