Rádio Observador

Oceanos

Plástico. Mediterrâneo é o mar mais poluído do planeta, mas “ainda vamos a tempo de o salvar”

2.618

A cada ano, os oceanos são contaminados por 13 milhões de toneladas de plástico, matando 100 mil espécies marinhas, diz a ONU. Pior caso é o do mar Mediterrâneo, mas "ainda vamos a tempo de o salvar".

AFP/Getty Images

O Mediterrâneo continua a ser o mar mais poluído do planeta. A certeza é dada por um biólogo espanhol que há mais de 30 anos estuda o impacto da ação do homem na qualidade das águas mediterrânicas. Num documentário feito para o National Geographic — “Salvemos o nosso Mediterrâneo” —, Manu San Félix centra o seu trabalho na exploração dos fundos marinhos da costa espanhola, numa viagem que parte da ilha de Formentera. E garante que aquele lugar tornou-se um dos mais ameaçados pela poluição.

Mais de 134 espécies estão contaminadas pela ingestão de plástico no Mediterrâneo, que já é o mar mais contaminado do mundo, mesmo que não tenhamos consciência de tudo o que temos perdido”, diz.

Ainda assim, assegura, há tempo para agir. Citado pelo La Vanguardia, o biólogo diz que “estamos a tempo de salvar o Mediterrâneo”, mas “é agora ou nunca”. Várias organizações — como a ONU — e instituições governamentais têm em marcha programas e campanhas para tentar travar o problema.

É possível devolver-se o Mediterrâneo ao estado em que estava há 80 anos, como uma espécie de máquina do tempo para devolver-lhe a vitalidade”, garante Manu San Félix.

Este sábado, 8 de junho, o Dia Mundial dos Oceanos é assinalado no meio de um intenso debate sobre o impacto do homem na qualidade da vida nos oceanos, sobretudo por causa de décadas de uso plástico considerado excessivo. As Nações Unidas estimam que, todos os anos, 13 milhões de toneladas de plástico vão parar aos oceanos, provocando a morte de 100 mil espécies marinhas.

No caso do Mediterrâneo, o maior problema são os microplásticos — pedaços muito, muito pequenos, difíceis de detetar e que resultam da fragmentação de pedaços maiores, em contacto com a força das ondas. A organização ambientalista Greenpeace diz que “entre 21% e 45% de todas as partículas de de microplásticos” estão naquele mar.

O problema não é novo. Ainda esta semana, a World Wide Fund dor Nature (WWF) criticava, num relatório, o fracasso dos países mediterrânicos na questão dos resíduos plásticos. Segundo os números desta organização, o ritmo a que a poluição daquele mar está a aumentar traduz-se numa imagem simples: é como se, a cada minuto, fossem despejadas 33.800 garrafas de plástico no Mediterrâneo. E o problema pode ganhar dimensões ainda maiores. A WWF diz que “a poluição por plástico continuará a crescer”, podendo até quadruplicar nos próximos 30 anos.

Segundo o relatório, entre os litorais mais contaminados na costa mediterrânica estão vários destinos turísticos: Barcelona e Valência, em Espanha; Telavive, em Israel; Marselha, em França; ou Veneza, em Itália.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: soliveira@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)