Depois do bom arranque de temporada no Benfica em 2016/17, Gonçalo Guedes arriscou uma nova aventura no estrangeiro, foi para o PSG mas perdeu brilho ao longo de ano e meio: jogou pouco, ainda menos na primeira época completa do que nos seis meses iniciais, não marcou nenhum golo e a saída tornou-se inevitável. Primeiro como emprestado, depois em definitivo, o avançado ganhou uma nova vida em Valência. E terminou da melhor maneira uma época que até começou da pior forma.

Heróis da relva, nobres, valentes e imortais (a crónica da final da Liga das Nações)

Opção inicial de Marcelino García Toral no arranque da presente temporada, o português acabou por sofrer uma contrariedade que lhe retirou três meses da época, devido a uma intervenção cirúrgica realizada no Porto a uma pubalgia. Voltou a meio de fevereiro, recuperou o lugar no onze, teve ainda um acidente de viação com o seu Ferrari que envolveu ainda uma moto (e ferimentos ligeiros no seu condutor) e fechou a época em Espanha não só com o quarto lugar e consequente entrada direta na Liga dos Campeões mas também com um triunfo frente ao Barcelona por 2-1 na final da Taça de Espanha. Esse último jogo do Campeonato com o Valladolid continua ainda a ser notícia de forma indireta para o clube che, por haver a suspeita de que alguns jogadores adversários estariam “comprados” por uma redes de apostas com ex-atletas para perderem esse jogo.

“Ganha a primeira e a segunda parte, ok?”: as chamadas (e um churrasco) que colocam o Valladolid-Valencia sob suspeita

Em paralelo, Guedes teve também um papel importante na caminhada da equipa na Liga Europa (seria eliminada nas meias-finais com o Arsenal de Unai Emery), decidindo a eliminatória dos oitavos com o Krasnodar e bisando no primeiro jogo dos quartos com o Villarreal, na semana em que tinha marcado também ao Real Madrid para o Campeonato.

A semana perfeita de Guedes sem sair de Espanha (e as vitórias do Arsenal e do Chelsea)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Regressado às opções de Fernando Santos na Seleção, Gonçalo Guedes começou no banco a meia-final com a Suíça, entrando para o lugar de João Félix aos 70′, ganhou uma vaga nas escolhas iniciais no encontro decisivo com a Holanda e foi o marcador do golo que decidiu a vitória na Liga das Nações, fazendo o quarto por Portugal em 17 encontros.

“Fizemos um grande jogo, agora é dar os parabéns à equipa e festejar o momento. Sinto-me muito contente e orgulhoso por representar este grupo. Realizámos um grande jogo e vencemos com todo o mérito. É fantástico jogar com o apoio do nosso público e estou feliz por ter ajudado a equipa com o golo. Lance do golo? Tinha poucos segundos para decidir, rematei e estou muito contente”, referiu nos primeiros comentários na zona de entrevistas rápidas da RTP.