Rádio Observador

Liga Europa

A semana perfeita de Guedes sem sair de Espanha (e as vitórias do Arsenal e do Chelsea)

Gonçalo Guedes inaugurou o marcador na vitória do Valencia frente ao Real Madrid e agora bisou em jogo da Liga Europa. O Arsenal venceu o Nápoles e o Chelsea bateu o Slavia Praga pela margem mínima.

O avançado português esteve lesionado durante os primeiros dois meses do ano

Getty Images

“Não matemos Guedes, que continua a ser um jogador descomunal”. Era assim que começava um texto do jornal Deporte Valenciano do dia 1 de abril, há pouco mais de uma semana. Guedes, Gonçalo Guedes, é ainda a contratação mais cara da história do Valencia e tem um lugar especial no coração dos adeptos do clube espanhol. O problema do avançado português, porém, tem sido as lesões. Guedes lesionou-se em dezembro, falhou os primeiros dois meses do ano, regressou à Seleção Nacional no duplo compromisso da qualificação do Euro e mas só jogou cinco minutos contra a Sérvia. Nesse primeiro de abril em que se pedia em Valencia para não matarem Guedes, a temporada do avançado de 22 anos parecia perdida. 

As coisas começaram a mudar dois dias depois, quando o português marcou o golo que deu início à vitória caseira do Valencia perante o Real Madrid (2-1). Esta quinta-feira, as coisas mudaram definitivamente. Gonçalo Guedes bisou na visita do Valencia ao Villarreal para a primeira mão dos quartos de final da Liga Europa e ainda sofreu uma grande penalidade que Parejo desperdiçou (1-3). Com a vitória perante o “submarino amarelo” e os três golos marcados fora, a equipa orientada por Marcelino Toral não só alcançou a primeira vitória fora contra um clube espanhol na Europa desde 1998 como pode já começar a fazer contas às meias-finais e a prestar atenção ao Arsenal, já que o próximo adversário vai sair da eliminatória entre os ingleses e o Nápoles.

Eliminatória essa que, até prova em contrário, sorri ao conjunto orientado por Unai Emery. O Arsenal não deu hipótese aos italianos no Emirates e venceu por dois golos sem resposta, com Ramsey a inaugurar o marcador e Koulibaly a marcar um autogolo que aumentou a vantagem inglesa. O resultado ficou fechado em apenas 25 minutos e o Arsenal só tem de ir a Itália não sofrer golos para avançar rumo às meias-finais — à procura de uma final europeia que escapa desde 2005/06, temporada em que os gunners perderam na final da Liga dos Campeões com o Barcelona.

No jogo que afeta diretamente o Benfica — o vencedor cruza com o vencedor da eliminatória entre os encarnados e o Eintracht Frankfurt –, o Chelsea venceu na República Checa o Slavia Praga pela margem mínima. O espanhol Marcos Alonso marcou o golo da vitória a quatro minutos do apito final e garantiu a vantagem inglesa para a segunda mão em Stamford Bridge. Os blues estão assim cada vez mais perto de voltar ao jogo derradeiro da competição que conquistaram em 2012/13, quando bateram o Benfica de Jorge Jesus na final de Amesterdão com golos de Fernando Torres e Ivanovic.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)