Rádio Observador

Polícia

“Não há cada vez mais” elementos das forças de segurança agredidos

2.037

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, negou que haja cada vez mais elementos das forças e serviços de segurança feridos em serviço, após dois militares da GNR ficarem feridos.

Tiago Petinga/LUSA

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, negou este domingo que haja cada vez mais elementos das forças e serviços de segurança feridos em serviço, após dois militares da GNR ficarem feridos numa operação de fiscalização de trânsito, em Coimbra.

O Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2018 dá conta de que no ano passado 1.159 elementos das forças e serviços de segurança ficaram feridos em serviço, sem necessidade de internamento, enquanto em 2017 esse número foi de 265.

“Não há cada vez mais [elementos agredidos]. Felizmente Portugal é cada vez mais um país seguro. Em 2014 éramos o décimo oitavo país mais seguro do mundo. Fomos esta semana reconhecidos como o terceiro país mais seguro do mundo. Há cada vez mais proatividade e capacidade operacional das nossas forças e serviços de segurança. E os portugueses são devedores de um grande reconhecimento, de uma profunda admiração por uma atividade que, pela sua natureza, comporta riscos”, respondeu Eduardo Cabrita, quando confrontado com aqueles dados do RASI.

O ministro falava aos jornalistas à margem da inauguração do novo quartel dos Bombeiros Voluntários de Vialonga, no concelho de Vila Franca de Xira (distrito de Lisboa).

Dois militares da Guarda Nacional Republicana (GNR) sofreram ferimentos ligeiros depois de terem sido “atingidos com disparos de arma de fogo” numa operação de fiscalização de trânsito no sábado de madrugada na freguesia de Cernache, no distrito de Coimbra, tendo depois a viatura, com três ocupantes, fugido.

Algumas dezenas de polícias concentraram-se esta manhã em frente ao Centro Hospitalar Universitário de Coimbra para manifestar apoio e solidariedade aos dois militares da GNR feridos, uma iniciativa convocada no sábado pelo Movimento Zero, constituído por um grupo de polícias que se mobiliza através das redes sociais.

Fonte ligada ao movimento disse à Lusa que estiveram concentrados cerca de 30 elementos da PSP, tendo estado também presentes no protesto, que começou a partir das 10:00, militares da GNR.

Com esta concentração à civil, os polícias manifestaram apoio e solidariedade aos militares da GNR feridos no sábado de madrugada em serviço, estando um deles internado no Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

Na sequência desta ocorrência, a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou que o Governo “ainda não tenha considerado” os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

“Há cada vez mais agressões e nada se tem feito para considerar a profissão de risco”, disse no sábado à agência Lusa o presidente da APG, César Nogueira, acrescentando que tem colocado várias vezes a questão dos militares agredidos em serviço ao Ministério da Administração Interna, mas esta profissão “ainda não é considerada pelo Estado como de risco”.

O ministro disse hoje que já existem outros subsídios atribuídos às forças e serviços de segurança e recordou o diálogo com as associações representativas do setor.

“Têm subsídios múltiplos e temos um debate com as associações e temos um profundo reconhecimento por aqueles que no ano passado foram afetados pelo risco de incêndios rurais e que estão hoje ainda em recuperação. Tal como por aqueles elementos que, servindo Portugal, correram riscos nos últimos dias”, sublinhou Eduardo Cabrita.

O governante manifestou ainda “um profundo reconhecimento por todos os militares da Guarda Nacional Republicana e por todos os polícias portugueses”.

“São quase cinquenta mil que garantem todos os dias, com grande profissionalismo, com grande dedicação, aquilo que é reconhecido globalmente: que Portugal é um dos países mais seguros do mundo”, reiterou o ministro da Administração Interna.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
105

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)