Rádio Observador

Emprego

Emigrantes podem receber mais de 6.500 euros para regressar a Portugal

3.371

A medida arranca no início de julho. Os emigrantes ou luso-descendentes podem receber um apoio superior a 6.500 euros para voltarem e trabalharem em Portugal Continental. IEFP conta gastar 10 milhões.

O programa prevê também um apoio nas viagens das famílias dos emigrantes portugueses

AFP/Getty Images

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) prometeu dar um apoio de até 6.536,40 euros aos emigrantes ou luso-descendentes que voltem a trabalhar em Portugal, noticia esta terça-feira o jornal Público. A iniciativa deve arrancar já no início de julho. Só até ao final de 2019, o IEFP conta gastar 10 milhões de euros com esta medida, o Programa Regressar, aprovada em março.

Segundo o Público, são 1.500 as pessoas que se podem candidatar ao Programa Regressar. Além do apoio superior a 6.500 euros que cada uma delas pode receber caso volte a Portugal Continental para trabalhar, esses emigrantes também podem ver comparticipadas as despesas das viagens. No total, e nas contas do secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, o orçamento deste programa deve rondar os 10 milhões de euros.

Em declarações ao Público, Miguel Cabrita anteviu alguma resistência da comunidade portuguesa além-fronteiras para aderir à iniciativa. “Os programas de regresso de emigrantes são programas complexos, têm até algum historial de dificuldades. Da mesma maneira que as pessoas não tomam de ânimo leve a decisão de sair, regressar também não é uma coisa imediata”, explicou.

Quem o quiser fazer, no entanto, tem de estar fora do país pelo menos desde 31 de dezembro de 2015 e de estar emigrado há pelo menos um ano. Além disso, têm de ter celebrado um contrato por conta de outrem desde 1 de janeiro de 2019, até 31 de dezembro de 2020. Ou seja, não se podem candidatar os emigrantes que regressem a Portugal para procurar trabalho: “Esta é uma política ativa de emprego e destina-se a apoiar contratos de trabalho. Não é um apoio para as pessoas virem para Portugal procurar trabalho, é algo para trabalhar de maneira muito próxima com as empresas e com as associações empresariais para, em função de oportunidades concretas de recrutamento, trazer as pessoas e facultar-lhes este apoio”, concluiu o secretário de Estado.

Dos cerca de 6.536,40 euros que podem ser dados aos emigrantes, boa parte corresponde a um “subsídio de regresso” de 2.614,56 euros — um valor que pode subir 10% por cada membro da família que acompanhe o emigrante, uma medida que serve para “minimizar a dimensão familiar neste processo e acautelar a questão do reagrupamento”, explicou Miguel Cabrita ao Público. Os custos das viagens do próprio trabalhador e da família também são comparticipados até a um limite de 1.307 euros. O transporte dos bens dele e da família também serão apoiadas até a um limite de 871,52 euros. Por fim, o emigrante ou luso-descendente pode ainda receber 436,76 euros pelo reconhecimento das capacidades académicas ou profissionais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)