Rádio Observador

Polícia Judiciária

Governo sabe quantos terroristas portugueses existem, mas não o revela (para já). E prepara regresso dos seus familiares

499

Embora não revele quantos combatentes terroristas portugueses existem, a ministra da Justiça garantiu que esse "número não é significativo", nem mesmo o número de familiares.

A ministra da Justiça esteve na sessão de abertura de um encontro internacional da Interpol sobre terrorismo, em Lisboa

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O Governo português está a trabalhar numa solução para os familiares de ex-combatentes do Estado Islâmico com nacionalidade portuguesa que querem regressar a Portugal. A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, revelou esta terça-feira que esta solução será encontrada “seguramente num prazo muito curto“, adiantando que o Governo sabe o número exato de combatentes terroristas portugueses — mas não revela, para já — e dos seus familiares.

Não vou revelá-lo agora, mas o Governo tem exata noção do número dos [combatentes terroristas portugueses] que estiveram, do número dos que estão vivos e, obviamente também, do número de familiares que essas pessoas têm e que se encontram em campos de refugiados”, disse em declarações aos jornalistas.

Embora não revele quantos combatentes terroristas portugueses existem, a ministra da Justiça garantiu que esse “número não é significativo“, nem mesmo o número de familiares que “possivelmente poderiam regressar a Portugal por ter nacionalidade portuguesa”. Van Dunem alertou ainda que esta “é uma matéria que envolve mais política externa” e que “deve ser articulada com vários países europeus”.

A ministra da Justiça discursou na sessão de abertura do encontro internacional (JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR)

A ministra da Justiça falou aos jornalistas depois da sessão de abertura de um encontro internacional da Interpol sobre terrorismo, que arranca esta terça-feira, no Hotel Sana, em Lisboa. A Polícia Judiciária (PJ), através da Unidade Nacional Contra-Terrorismo, em cooperação com a Interpol, acolhe entre os dias 25 e 27 de junho, o grupo de trabalho Interpol Nexus. Com cerca de 90 participantes de 36 países, a equipa irá analisar a problemática do regresso dos combatentes terroristas estrangeiros aos países de origem e fenómenos criminais associados.

“Temos a perceção clara que não existe risco zero” de terrorismo em Portugal

Já no discurso da sessão de abertura, Van Dunem tinha referido que, “até ao momento, o contingente de [combatentes] regressados é quase nulo”. “Os estados relativos aos nacionais portugueses que viajaram rumo à Síria e ao Iraque para integrarem o califado do autoproclamado Estado Islâmico são manifestamente residuais por comparação de realidades idênticas de outros países europeus”, acrescentou a ministra.

A problemática dos combatentes terroristas estrangeiros não tem em Portugal uma dimensão significativa, acontecendo obviamente o mesmo relativamente à tão recente problemática dos regressados e dos seus familiares”, assegurou a ministra.

Embora reconheça que “o território português tem ocupado uma posição relativamente periférica face a iminência e à violência do terrorismo internacional”, Van Dunem considerou que mesmo o facto de Portugal não ter sido palco de atentados terroristas “é relevante no combate ao terrorismo” uma vez que “a luta contra o terrorismo tem de ser conduzida a escala global”. “O território português tem conseguido eximir-se dos atentados terroristas que se abateram sobre vários países da Europa com enorme violência e a um ritmo esmagador, nomeadamente no triénio 2015-2017”, disse.

A ministra da Justiça recordou todas as vítimas portuguesas “improváveis e inocentes” que morreram em atentados terroristas, de Nova Iorque, a 11 de setembro de 2001, ao mais recente, no Sri Lanka, em abril deste ano. “As vítimas portuguesas do terrorismo ascendem a dezena e meia, em menos de 18 anos”, disse, deixando um alerta relativamente a possíveis atentados em Portugal: “Temos a perceção clara que não existe risco zero”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)