Rádio Observador

Terrorismo

O que sabemos dos portugueses que morreram em atentados terroristas

168

Desde 2001, já morreram 15 pessoas de nacionalidade portuguesa, em avenidas, hotéis, discotecas ou salas de espetáculo que foram palcos de atentados terroristas, em vários sítios do mundo.

Mais de 200 pessoas morreram este domingo na sequências de várias explosões no Sri Lanka

M.A. PUSHPA KUMARA/EPA

A morte de Rui Lucas nos ataques no Sri Lanka, este domingo, fez aumentar o número de portugueses vítimas de atentados terroristas. Desde 2001, já morreram pelo menos 15 pessoas de nacionalidade portuguesa, em avenidas, hotéis, discotecas ou salas de espetáculo que foram palcos de atentados terroristas, em vários sítios do mundo: Barcelona, Burkina Faso, Tunísia, Paris, Marrocos, Bali ou Nova Iorque. O ataque às torres gémeas, a 11 de setembro de 2001, foi aquele em que morreram mais portugueses num só atentado.

Maria da Glória Moreira, de 76 anos, é a vítima mais velha de uma lista de 15 portugueses. Morreu depois de um estudante universitário de 23 anos ter disparado vários tiros de metralhadora sobre turistas estrangeiros, que apanhavam banhos de sol na praia, na Tunísia. A vítima mais nova da mesma lista tinha 20 anos quando morreu — morreu ao lado da sua avó a caminhar nas Ramblas, em Barcelona, em agosto de 2017, quando foi atropelada por uma carrinha que avançou contra a multidão que ali se encontrava. Avó e neta eram, até agora, as vítimas portuguesas mais recentes de atentados terroristas.

A capital do Sri Lanka, Colombo, foi alvo de cinco explosões: quatro em hotéis de luxo e uma numa igreja (Foto: Getty Images).

Este domingo, Rui Lucas tornou-se a última vítima mortal de ataques como estes. O jovem de 30 anos e a mulher estavam de lua-de-mel no Sri Lanka e tinham casado há uma semana. O casal estava hospedado no Hotel Kingsbury, em Colombo, um dos hotéis que foi alvo de ataques bombistas. Era natural de Viseu e técnico de automação e energia na empresa T&T multielétrica. O dono da empresa, Augusto Teixeira, recorda o empregado, em declarações ao Observador, como uma “pessoa extremamente dedicada, disponível a 100% para a empresa e para quaisquer projetos que se envolvesse e com valores humanos que são difíceis de encontrar nas pessoas“.

2017. Avó e neta “colhidas” no “acidente trágico”, em Barcelona

Avó e neta tinham acabado de chegar a Barcelona e faziam um passeio nas Ramblas, uma avenida no centro da cidade muito frequentada por turistas, no momento em que um homem avançou com uma carrinha contra a multidão que ali se encontrava. A 18 de agosto, um dia depois do atentado entretanto reivindicado pelo Estado Islâmico, o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas confirmava que uma mulher portuguesa, nascida em 1943, tinha morrido no atentado.

Os atentados da Catalunha aconteceram a 17 de agosto de 2017. O primeiro ataque ocorreu em Barcelona (Foto: EPA/Andreu Dalmau)

José Luís Carneiro adiantava ainda que “outra pessoa”, de 20 anos, que acompanhava a mulher de 74, estava “desaparecida”. Foram feitas visitas às unidades hospitalares para verificar se esta jovem estava entre os feridos. Mas não estava. “Confirmou-se o pior cenário”, disse o Secretário de Estado. Naturais de Sintra, avó e neta estavam entre as 16 vítimas mortais do atentado terrorista naquela cidade catalã.

“Esta jovem esteve de férias com o pai e vinha cá [a Barcelona] com a avó, que era a sua confidente, passar oito dias. Chegaram, instalaram-se, contactaram com a família e foram dar um pequeno passeio. E foram colhidas neste acidente trágico“, disse, na altura, José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades.

2016. Trabalhador de empresa de transportes morreu em ataque num hotel no Burkina Faso

António Basto, natural de Massarelos, no Porto, vivia em França, mas estava na capital do Burkina Faso, ao serviço de uma empresa privada francesa de transportes. Encontrava-se no Hotel Splendid no noite de 15 de janeiro de 2016, quando vários homens armados e de turbante entraram a disparar no edifício, provocando a morte de 29 pessoas.

Vários homens armados e de turbante entraram a disparar no Hotel Splendid, provocando a morte de 29 pessoas (Foto: WOUTER ELSEN/EPA)

António Basto tinha 51 anos, era casado com uma francesa e pai de três filhos, com idades entre os 31 e seis anos. Junto a António Basto morreram também dois colegas seus franceses. Havia ainda um outro português no interior do hotel, um consultor da União Europeia, que saiu ileso — embora, na altura, se tenha chegada a avançar com a informação de que teria morrido.

2015. A viagem à Tunísia de Maria da Glória e as vítimas dos atentados em Paris

Era a primeira viagem que fazia sozinha depois de ter ficado viúva. O destino era Sousse, na Tunísia, onde tinha passado tantas vezes férias com o marido. Maria da Glória Moreira, de 76 anos, foi uma das 38 vítimas mortais de um ataque terrorista numa estância turística em Sousse, a 26 de junho de 2015, reivindicado pelo autoproclamado Estado Islâmico.

38 pessoas morreram num ataque terrorista numa estância turística em Sousse, a 26 de junho de 2015 (Foto: MOHAMED MESSARA/EPA)

“Estava reformada, vivia na zona do Porto e viajou sozinha para a Tunísia”, disse o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, da altura, José Cesário. Era a única portuguesa hospedada no hotel Riu Imperial Marhaba. Falava com os familiares diariamente e chegou a partilhar com eles que estava a fazer amigos no hotel. Ao quinto dia de férias e depois de se saber que o tiroteio tinha acontecido, a família tentou contactá-la — sem sucesso. A professora reformada, Maria da Glória, morreu depois de um estudante universitário de 23 anos ter disparado vários tiros de metralhadora sobre turistas estrangeiros, que apanhavam banhos de sol na praia.

Nos atentados de Paris — que marcaram o início de uma série de atentados na Europa —, em novembro desse mesmo ano, estavam três portugueses entre os mais de 130 mortos: Manuel Colaço Dias, de 63 anos, Précilia Correia, de 35, e Christine Gonçalves, de 50.

Natural do Alentejo, de Mértola, Manuel era taxista e vivia em França há mais de 30 anos com a mulher de nacionalidade francesa e os dois filhos. Tinha acabado de deixar três clientes no Stade de France, para assistir ao jogo entre a França e a Alemanha. O estádio foi um dos locais escolhidos para o ataque e Manuel acabou por morreu numa das explosões.

Nos atentados de Paris, em novembro desse mesmo ano, estavam três portugueses entre os mais de 130 mortos (Foto: AFP/Getty Images)

Précilia Jessy Correia, de 35 anos, era filha de pai português, da zona do Montijo, e de mãe francesa. Trabalhava numa loja da Fnac, na capital francesa. Assistia a um concerto de uma das suas bandas favoritas, Eagles of Death Metal, no Bataclan, quando vários terroristas entraram a disparar naquela sala de espetáculos. O namorado de nacionalidade francesa que estava com ela a assistir ao concerto também acabou por morrer.

No Bataclan estava também a portuguesa Christine Gonçalves, de 50 anos, que acabou por morrer. A mulher esteve dada como desaparecida, durante alguns dias, mas Hermano Sanches Ruivo, vereador na câmara de Paris, viria mais tarde a confirmar a sua morte.

2011. André morreu na sequência de uma explosão num café em Marrocos

Era a segunda vez que ia a Marrocos. 28 de abril de 2011: André Silva estava na esplanada do café Argana, em Marraquexe, com a namorada e outro casal, quando ocorreu uma explosão. O jovem português de 23 anos e o outro rapaz do grupo tiveram morte imediata.

Filho de um casal de emigrantes portugueses na Suíça, André estudava e ajudava o pai na carpintaria. Tinha ido passar férias àquele país e tinha previsto uma viagem a Portugal para ser padrinho de casamento de um primo, contou a sua avó ao Correio da Manhã, na altura. “O casamento é no sábado e o André estava previsto chegar na quarta-feira. Infelizmente já não está entre nós”, disse.

No dia 28 de abril de 2011, 17 pessoas morreram numa explosão na esplanada do café Argana, em Marraquexe (Foto: Getty Images)

Eu nem queria acreditar, mas no domingo uma amiga que está na Suíça disse-me que o meu neto tinha morrido. É uma tragédia muito grande“, acrescentou ainda a avó, Ester Silva. Soube através das notícias que o seu neto era uma das 17 pessoas que morreram no atentado à bomba, naquele café em Marraquexe.

2002. Diogo morreu numa discoteca em Bali, após uma explosão

Diogo Ribeirinho consta da lista das 202 vítimas mortais daquele que é considerado o ataque terrorista mais mortífero da Indonésia. O soldado paraquedista — que fazia parte do contingente português em Timor-Leste — morreu ao final do dia 12 de outubro de 2002, num atentado à bomba, em Bali. Diogo encontrava-se na discoteca Sari no momento do ataque — um dos dois locais onde explodiram bombas, naquela noite, sendo o segundo o bar Paddy’s em Kuta. Tinha 20 anos.

As explosões ocorreram na discoteca Sari no bar Paddy’s, em Balie, na Indonéria (Foto: Edy Purnomo/Getty Images)

2001. Os cinco portugueses que morreram no 11 de setembro

António Rocha, Carlos da Costa, João Aguiar, Manuel da Mota e António Carrusca Rodrigues morreram nos atentados de 11 de setembro, nos Estados Unidos — dois deles estavam no interior das torres gémeas que foram atingida e chegaram a conseguir ligar às companheiras antes de morrer.

João Aguiar Costa “era há duas semanas vice-presidente da empresa de corretagem e gestão de património onde trabalhava, que funcionava no 87.º andar da torre sul”, segundo a agência Lusa. Tinha 30 anos. Quando o avião chocou contra a torre norte do World Trade Center telefonou à namorada e fugiu. Voltou para trás para ajudar os trabalhadores de uma outra empresa daquele andar. O segundo avião chocou contra aquela torre naquele momento.

Também António Augusto Tomé Rocha se encontrava no World Trade Center, mas na torre norte — a primeira a ser atingida. Com 34 anos à data, trabalhava na empresa Cantor Fitzgerald Securities, que ocupava os pisos 101, 103, 104 e 105. Também ele ligou para a sua mulher, Marilyn, assim que o avião chocou. “Um avião bateu contra o World Trade Center, há fogo, muito fumo, mas não te assustes…”, escreveu a agência Lusa. A chamada acabou por cair.

Quase três mil pessoas morreram no atentado às torres gémeas, em 2001 (Foto: Robert Giroux/Getty Images)

Carlos da Costa, de 41 anos, e António José Carrusca Rodrigues, de 36, trabalham ambos na autoridade marítima de Nova Iorque. Morreram a tentar ajudar outras pessoas a sair do local, em zonas diferentes. Carlos foi visto a tentar retirar uma pessoas que tinha ficado presas dentro do elevador e o seu corpo foi encontrado mais tarde. António estava a abandonar o local no momento em que a torre desabou.

Manuel da Mota, de 43 anos, dirigiu-se para o World Trade Center para uma reunião de trabalho. Estava a trabalhar na instalação de um novo restaurante no topo da Torre Norte. De acordo com as declarações de um colega de trabalho à Lusa, na altura, o avião chocou com aquela torre, dois minutos depois de Manuel ter chegado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)