Rádio Observador

Mercado Imobiliário

Mais casas compradas com dinheiro vivo em 2019

O Público questionou regulador do imobiliário sobre transações imobiliárias feitas em dinheiro vivo. Ainda são menos de 1%, mas estão a aumentar. Novas regras obrigam a que casos sejam reportados.

Os negócios em dinheiro vivo representam 1% de todas as transações imobiliárias

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O número de negócios imobiliários feitos com dinheiro vivo estão a aumentar, de acordo com dados do regulador, o Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção (IMPIC), fornecidos ao jornal Público. A conclusão é divulgada pelo jornal no mesmo dia em que entram em vigor novas obrigações de identificação, controlo e comunicação de operações de compra, arrendamento, venda ou permuta de imóveis. O objetivo é o de reforçar a prevenção e combate aos crimes de branqueamento de capitais e terrorismo.

De acordo com os dados fornecidos pelo IMPIC ao Público, o valor das transações imobiliárias feitas em numerário chegaram aos 22,6 milhões de euros entre janeiro e maio deste ano, um valor superior aos 17,1 milhões comunicados no período homólogo de 2018. Apesar disso, as transações feitas em dinheiro vivo — que, desde 2017, não podem ultrapassar o valor de três mil euros — representam apenas 1% de todos os negócios imobiliários.

Apesar da pouca dimensão do fenómeno, as suspeitas de que as tentativas de pagamento em numerário podem estar ligadas a fenómenos criminosos como o branqueamento de capitais fez com que tenham sido apertadas as regras. Até agora, os agentes imobiliários eram obrigados a identificar em cada transação os intervenientes do negócio, o montante global da compra e os meios de pagamento utilizados na transação. Nos casos em que o pagamento é feito através de dinheiro vivo e causa suspeitas — seja parte do negócio, seja na totalidade, violando os tetos estabelecidos —, o IMPCC reporta os casos à Policia Judiciária, ao DCIAP e à Autoridade Tributária.

A partir de agora, como explicam o Público e a Agência Lusa, todas as empresas imobiliárias passam a ser obrigadas a reportar informações mais exaustivas sobre todos os negócios que sejam acima de 2.500 euros mensais nos contratos de arrendamento e 15 mil euros nos de compra de imóveis — nome, morada, nacionalidade, NIF, profissão e entidade patronal no caso de indivíduos e morada e identificação de todos os titulares com participações acima dos 5% no caso das empresas. Para além disso, devem sinalizar todos os casos que considerem suspeitos de branquamento de capitais e/ou financiamento de terrorismo.

A medida, contudo, não agrada a alguns dos intermediários. “Exige-se às empresas que ajam como ‘polícias do Estado’ quando esta ação de controlo e fiscalização deveria ser feita pelas entidades competentes e não pelas empresas”, queixa-se ao Público Luís Lima, presidente da Associação Profissional de Empresas de Mediação Imobiliária. Já Francisco Bacelar, presidente da Associação dos Mediadores do Imobiliário de Portugal, diz entender “a necessidade de prevenir e despistar as situações de risco” mas lamenta “que o ónus passe para o mediador”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)