Rádio Observador

Fundo Monetário Internacional

Dívida pública são-tomense é “grave” e exige medidas “muito difíceis”, segundo FMI

"A situação atingiu um ponto de tal forma grave, que, a menos que sejam tomadas medidas muito sérias para controlar a dívida, esta torna-se insustentável", disse a representante do FMI.

Para a responsável do FMI, se não houver "um grande equilíbrio" no controlo nas despesas e receitas "não pode haver financiamento"

JIM LO SCALZO/EPA

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou esta quinta-feira que a dívida pública de São Tomé e Príncipe está “praticamente descontrolada” e “atingiu um ponto de tal forma grave” que é necessário tomar com urgência “medidas muito difíceis” para a controlar.

“A situação atingiu um ponto de tal forma grave, que, a menos que sejam tomadas medidas muito sérias para controlar a dívida, esta torna-se insustentável. Está praticamente descontrolada e não pode haver mais atrasos em termos de implementação dessas medidas”, disse esta quinta-feira aos jornalistas a representante da FMI para São Tomé e Príncipe, Xiangming Li.

A responsável encontra-se na capital são-tomense, onde se encontrou esta quinta-feira com o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, para abordar a questão do empoderamento das mulheres e “os grandes desafios com que o país se debate”, designadamente a situação da dívida.

O FMI considera que o governo são-tomense tem três soluções para controlar a dívida: aumentar a receita para cobrir a despesa e acabar com os subsídios que são atribuídos para os combustíveis e à empresa pública de água e eletricidade (Emae).

“Isso significa que o preço real [do combustível] está bastante acima do preço que é pago pelos cidadãos. Obviamente isso causa um desequilíbrio e uma perda muito grande”, comentou a representante do FMI.

“Daquilo [combustível] que a Emae recebe, paga apenas metade daquilo que é de facto abastecido. Portanto, para além da perda comercial que a empresa tem, há o problema dos roubos de energia, que sabemos que é frequente e isso é um problema grave”, explicou Xiangming Li, à saída do encontro com o chefe do executivo.

O Fundo Monetário Internacional propôs há quatro meses um conjunto de medidas ao governo são-tomense como condição para assinar um novo programa de facilidade de crédito no valor de seis milhões de dólares (cerca de 5,2 milhões de euros).

Questionado para quando é possível assinar este acordo, Xiangming Li respondeu com um exemplo: “Imaginemos que há um bolso com buraco. Se não coser o bolso, cada vez que meter qualquer coisa lá dentro, ele desaparece”.

Para a responsável do FMI, se não houver “um grande equilíbrio” no controlo nas despesas e receitas, na dívida da Emae e o subsídio dos combustíveis, “não pode haver financiamento”.

“Para se poder avançar [para a assinatura deste acordo] há que aplicar essas medidas, que são duras, mas é preciso implementá-las para que nós possamos escrever nos nossos relatórios e submeter ao conselho de administração do Fundo, que irá assinar o acordo”, comentou.

A representante para São Tomé e Príncipe do FMI disse que esta instituição “está a espera de comprovativos de que estão a ser tomadas as medidas que são necessárias tomar” para poder dar luz verde para a assinatura do novo acordo de facilidade de crédito.

“É evidente que nós estamos bem conscientes de que essas medidas são muito difíceis, e é preciso que haja um grande entendimento entre o Governo e a sociedade, é preciso que a comunicação seja reforçada, de forma a que haja um consenso, que as pessoas sejam bem informadas, para que a população consiga apoiar o Governo nessas medidas que são difíceis, mas que têm que ser tomadas”, defendeu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)