Rádio Observador

Floresta

Estudo mostra onde é fundamental reflorestar para melhorar clima

137

O Brasil, a Indonésia, Madagáscar, Índia e Colômbia são os países mais favoráveis à reflorestação, de acordo com o estudo. Medida traria maiores benefícios na absorção de dióxido de carbono e água.

LEONARDO MUNOZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A restauração de 11% das florestas tropicais húmidas destruídas pode melhorar o clima e o meio ambiente, especialmente se feita em pontos críticos de 15 países, como o Brasil ou a Índia, indica um estudo esta quarta-feira divulgado.

A investigação, publicada na revista Science Advances, identificou locais de países em quatro continentes onde a revitalização das florestas traria maiores benefícios na absorção de dióxido de carbono, água e vida selvagem.

São mais de 100 milhões de hectares de florestas húmidas que podiam ser restaurados e que representariam uma oportunidade para lutar contra o aumento da temperatura global, poluição, falta de água e extinção da vida animal e vegetal.

O Brasil, a Indonésia, Madagáscar, Índia e Colômbia são os países com maior área de locais propícios para reflorestação, mas em África foram também identificados mais cinco países (além de Madagáscar) com boas oportunidades, o Ruanda, o Uganda, o Burundi, o Togo e o Sudão do Sul.

“Restaurar as florestas tropicais é fundamental para a saúde do planeta, agora e para as próximas gerações”, segundo o principal autor do estudo, Pedro Brancalion, da Universidade brasileira de S. Paulo.

“Pela primeira vez, o nosso estudo ajuda governos, investidores e outros que procuram restaurar florestas tropicais húmidas, a determinar com precisão locais onde a restauração das florestas é mais viável, duradoura e benéfica. Restaurar florestas é uma necessidade e é possível”, afirma o investigador.

Os 12 autores do estudo, “Oportunidades globais de restauração em florestas tropicais”, usaram imagens de satélite de alta definição e investigações recentes sobre quatro temas: biodiversidade, mitigação das alterações climáticas, adaptação às alterações climáticas e segurança da água, aos quais acrescentaram fatores de custos, riscos de investimento e sobrevivência das florestas restauradas. Tudo combinado os investigadores elegeram os locais onde reflorestar seria mais benéfico, menos dispendioso e menos arriscado.

Robin Chazdon, outro dos autores do estudo, salientou a “surpresa” de haver uma grande concentração de países africanos e disse que a grande maioria das áreas críticas fazem parte de zonas de conservação, mas com alto risco de desflorestação.

Brancalion acrescentou que muitos dos locais estão em países onde a reflorestação já é uma prioridade, e disse que a restauração das florestas é mais viável em terras de baixo valor para a produção agrícola.

Em alternativa, dizem os investigadores, a reflorestação pode ser associada a fatores geradores de rendimento, como cultivando café ou cacau numa zona florestal, e sempre associando as mudanças às comunidades locais.

De acordo com a publicação é cada vez mais consensual que a reflorestação é uma das soluções mais económicas e prontamente disponíveis para os atuais problemas climáticos e ambientais.

Numa declaração divulgada no ano passado 40 cientistas já assinalavam que a limitação do aquecimento global requer a proteção das florestas e a reflorestação das zonas que se perderam. Acelerar a restauração das florestas, advertiam, ajuda a atingir as metas climáticas, ainda que não suplante a necessidade de reduzir emissões de gases com efeito de estufa.

Alguns países, como a China ou a índia, já iniciaram processos de reflorestação em larga escala, mas também há críticas em relação à opção das monoculturas, para atender a compromissos de reflorestação mas sem ter em conta a proteção e restauração das florestas naturais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor
559

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)