Rádio Observador

Restaurantes

O KFC “mais remoto do mundo” quer uma estrela Michelin

O australiano Sam Edelman, dono de uma franquia da cadeia de fast food KFC, lançou uma campanha para que o restaurante que gere ganhe uma estrela Michelin. Já tem mais de mil apoiantes.

AFP/Getty Images

Autor
  • Beatriz Ferreira

É o KFC “mais remoto do mundo”, mas há quem faça “entre 500 a 1000 quilómetros  de propósito” para ali fazer uma refeição. Quem o diz é Sam Edelman, que gere um restaurante em regime de franquia da cadeia de fast food em Alice Springs, no Norte da Austrália. O australiano quer agora que o esforço da sua equipa seja reconhecido… com uma estrela Michelin. Porque, diz, o seu KFC é “mais do que um local de fast food”.

“Os frangos que são entregues na loja, todos os dias, são frescos e panados à mão na nossa cozinha pelos nossos cozinheiros. Há alguma habilidade nisso”, disse, em entrevista ao jornal britânico Metro.

Sam lançou mesmo uma página de Facebook chamada “Kentucky Fried Chicken deserves a Michelin Star“, onde tem feito uma espécie de campanha mundial — que já o levou a França — para alcançar o objetivo e chamar a atenção da Michelin. Aí, já tem mais de 1200 apoiantes. Num vídeo publicado recentemente, em Paris, dá a provar a parisienses o seu “famoso” frango. “Acha que merece uma estrela Michelin?”, pergunta a uma transeunte. “Honestamente, não. As estrelas Michelin não são para fast-food”, responde-lhe. Outra pessoa diz-lhe: “É um bocado maluco por achar que consegue uma estrela Michelin.” Mas há quem o incentive a não desistir.

A Michelin não tem um guia para a Austrália, pelo que nenhum restaurante australiano tem estrelas atribuídas.

Segundo o jornal britânico, para ganhar uma estrela, o restaurante tem de ser considerado “muito bom na sua categoria”. Para duas estrelas é necessária “uma culinária excelente, que valha a pena para fazer um desvio”. E as três estrelas só são possíveis se o restaurante servir uma “cozinha excecional, que valha uma viagem especial”. E Sam não tem dúvidas de que o seu restaurante corresponde a todos os requisitos.

A ideia do australiano surgiu enquanto via uma série na Netflix sobre street food (comida vendida na rua), na qual um vendedor de rua em Bangkok, Tailândia, ganhou uma estrela Michelin. “Tradicionalmente, eu sempre achei que a estrela Michelin era o auge de uma boa refeição, que seria precisa uma lista de vinhos requintada e uma experiência gastronómica espetacular. (…) Num nível básico, correspondemos aos critérios. Se esse vendedor de rua conseguiu a estrela Michelin, porque não conseguimos nós?”

Sam adquiriu a franquia há sete anos e diz que o facto de o KFC ser o mais remoto de mundo “é o que o distingue”. Relata mesmo que já chegou a receber uma encomenda de mineiros no oeste australiano (o restaurante localiza-se no norte) que lhe rendeu 622,29 euros (1000 dólares australianos). A encomenda teve de seguir por avião.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)