Rádio Observador

Governo

No cenário do PSD “falha quase tudo” na “razoabilidade orçamental”, diz Centeno

1.245

Ministro desafia o PSD a dizer onde vai cortar na despesa pública e sugere que a intenção de Rui Rio é cortar em consumos intermédios no setor da saúde.

Ministro diz que vai voltar a dar um "contributo" para o cenário macroeconómico onde PS apoiará próximo programa eleitoral

JOSE SENA GOULAO/LUSA

O ministro das Finanças defende-se das críticas sobre o mau funcionamento dos serviços públicos e garante que estão “no seu nível máximo das últimas décadas, em termos de recursos humanos e financeiros”, mesmo ni Serviço Nacional de Saúde. Já sobre as perspetivas macroecónomicas do PSD, Mário Centeno não duvida do crescimento previsto, mas sim “do habitual milagre do corte da despesa” e sugere que o que o PSD quer cortar consumos intermédios no SNS. 

Em entrevista ao Público, publicada este sábado, o responsável pela pasta das Finanças não adianta se vai continuar no cargo e nem mesmo se irá nas listas de candidatos do PS às próximas legislativas. Atira a responsabilidade para o primeiro-ministro António Costa: “Não é a mim que me cabe anunciar o que quer que seja”. Apenas adianta que o cenário macroeconómico em que o PS vai sustentar as medidas do próximo programa eleitoral terá o seu “contributo”. Em 2015 foi o coordenador do grupo de economistas que traçou o cenário para o então candidato António Costa.

Já sobre as perspetivas que o PSD adiantou na última semana, Centeno “não vê dificuldade” no cenário de um crescimento de 2,7% em 2023 apontado por Rui Rio. Mas e crítico da “razoabilidade orçamental” do cenário social-democtara: “Do pouco que sabemos daquele programa, parece-me que falha ali quase tudo”. Questionado sobre essas falhas, o ministro fala diz que o corte da despesa previsto “levanta algumas dúvidas, em particular no que diz respeito aos consumos intermédios. Aquela evolução que é ali prevista só é possível com reduções reais da despesa com consumos intermédios e há uma dimensão enormíssima deste tipo de despesa que é precisamente na saúde”, diz.

Centeno desafia o PSD a esclarecer “onde é que esses cortes vão ser feitos”. Tanto mais, diz, que também quanto a despesas com pessoal e com prestações sociais, “já estão neste momento legisladas, em termos de descongelamento de carreiras e no funcionamento da lei de bases da Segurança Social, com atualização das pensões num cenário de crescimento acima de 2%, obrigações de despesa. E aquelas despesas que estão previstas no programa do PSD não me parece que cheguem para dar resposta a essas obrigações”.

Quanto às críticas à sua mão pesada em relação a despesas nos serviços públicos, nomeadamente no SNS, Centeno diz não estar certo “de que quando gerávamos défices tínhamos melhores serviços públicos. Isso não é verdade. Nalguns serviços públicos, como a saúde, por exemplo, temos hoje os recursos públicos no seu nível máximo das últimas décadas, em termos de recursos humanos e financeiros…”. O ministro das Finanças garante, na entrevista, que a despesa com o SNS “cresceu praticamente 19% face à legislatura anterior”, com investimento em “medicamentos, meios de diagnóstico, tratamentos, próteses, dispositivos médicos cuja despesa aumentos em mais de 2500 milhões de euros. Não é possível dizer que estes recursos financeiros não foram postos à disposição dos utentes porque foram”, argumenta.

Ainda em matéria de saúde e com a discussão da lei de bases na cabeça, o ministro volta a insistir na defesa das parcerias público-privadas. “As PPP na saúde entram exatamente pelo carril da qualidade da despesa pública, e nós devemos ser muito exigentes com a qualidade da despesa pública, não me vou cansar de repetir isto nos próximos meses”. Para Centeno, as “PPP da Saúde são uma forma possível de gerir um sector que é muito difícil de gerir, que deve recolher todas as boas práticas de gestão” e “não há nenhum problema com as PPP se se demonstrar que é um mecanismo eficaz e eficiente de gerir parte do SNS“.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)