Rádio Observador

Forças Armadas

Alterações ao estatuto do antigo combatente feitas pelo PSD, CDS e BE custam cerca de 7 milhões/ano

A atualização do complemento especial de pensão do valor da pensão social será de 300 mil euros por ano, enquanto a acumulação de benefícios para antigos combatentes é estimado em 6,9 milhões anuais.

O diploma do Governo cria o cartão do antigo combatente "que se constitui como elemento facilitador"

Nuno Fox/LUSA

As alterações do PSD, CDS e BE ao estatuto do antigo combatente custam anualmente cerca de sete milhões de euros, de acordo com cálculos feitos pelo Governo enviados esta terça-feira à Assembleia da República.

A informação consta de uma ofício do gabinete da secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Pinto, enviado esta terça-feira ao fim da manhã à comissão parlamentar de Defesa, a que a Lusa teve acesso, no dia em que os deputados voltam a discutir a proposta de lei do Governo para tentar concluir este processo legislativo até 19 de julho, antes das férias e do fim da legislatura.

Segundo o executivo, a atualização do complemento especial de pensão de 3,5% para 5% do valor da pensão social será de 300 mil euros por ano, enquanto a acumulação de benefícios para os antigos combatentes é estimado em 6,9 milhões de euros anuais.

No ofício é ainda referido que, dos anos em que foi permitido acumular benefícios, entre 2002 e 2008, “permanece uma dívida do Ministério da Defesa Nacional à Caixa Geral de Aposentações, à Segurança Social e a entidades privadas de 82,7 milhões de euros”.

Esta verba era para ser suportada “através da afetação de receitas geradas pela então LPIM (Lei de Programação de Infraestruturas)”, lê-se ainda no documento.

Outras propostas, uma delas feita pelo PS, para criar o dia nacional do antigo combatente não tem impactos financeiros, sendo também impossível de calcular a sugestão de entrada livre nos museus do Estado ou ainda o desconto de 75% nas tarifas e transportes coletivos de passageiros, em empresas públicas, segundo o mesmo documento.

Estas alterações, a serem aprovadas, só entrariam em vigor no próximo Orçamento do Estado.

Na carta, o Governo não toma qualquer posição acerca da viabilidade das propostas feitas pelo PSD, CDS, BE e PS.

Na semana passada, em 03 de julho, a comissão de Defesa Nacional pediu uma avaliação ao impacto orçamental das propostas de alteração do PSD, CDS, PS e BE ao estatuto do antigo combatente, que o deputados pretendem votar até dia 19 de julho.

O pedido de informação foi feito ao Governo e à Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), que funciona junto da Assembleia da República, tendo chegado hoje a resposta do executivo.

Na sexta-feira de manhã, realizou-se uma reunião, no parlamento, de deputado com a secretária de Estado Ana Pinto, que remeteu informação para o início da semana, o que veio a acontecer hoje.

PSD e CDS fizeram uma proposta conjunta e PS e BE também apresentaram mudanças à lei que os partidos estão a tentar concluir antes das férias de Verão e do último plenário agendado para 19 de julho.

Não sendo votada até essa data, o diploma caduca e teria de ser reapresentado na próxima legislatura.

A proposta de lei faz uma compilação de todos os direitos de que podem usufruir os antigos combatentes, da guerra colonial e os que estiveram em Forças Nacionais Destacadas, mas não confere novos benefícios. Com as suas propostas, PSD e CDS repõem os benefícios que os antigos combates tinham até 2008, quando a lei foi alterada.

O diploma do Governo cria o cartão do antigo combatente “que se constitui como elemento facilitador” e de “simplificação do acesso aos direitos sociais e económicos consagrados na legislação”, segundo a exposição de motivos da proposta.

É também criada uma unidade técnica para os antigos combatentes com a missão de aplicar a lei, na dependência do ministro da Defesa, e outras medidas organizacionais que visam assegurar a ligação entre ministérios e serviços.

Fica consagrado na lei o Plano de Ação para Apoio aos Deficientes Militares criado em 2015 e o plano de apoio aos antigos combatentes em situação de sem abrigo que “permitirá sinalizar as situações existentes” e promover a “possibilidade de uma habitação digna para todos”.

Em 7 de junho, a proposta de lei para consagrar o estatuto do antigo combatente baixou sem votação na generalidade à comissão, depois do debate na generalidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)