Rádio Observador

Futebol

Flamengo deu o Berrio até que apareceu Gabigol e o VAR: como Jesus evitou primeira derrota com o Corinthians

Após a "espera" no aeroporto antes da viagem para São Paulo, Flamengo esteve a perder com o Corinthians até aos 90' quando o VAR validou um golo de Gabriel Barbosa... seis minutos depois (1-1).

Jorge Jesus não conseguiu vencer Corinthians mas ganhou mais um ponto ao líder Palmeiras esta jornada

Getty Images

“Imagina o quanto o Diego está louco para fazer um golo aqui?”. Os comentadores do Corinthians-Flamengo estavam animados com o jogo também por influência da derrota do Palmeiras que abria a possibilidade de haver uma aproximação de outras equipas ao topo da mas não esqueciam também o que se tinha passado no aeroporto na véspera e no próprio aquecimento para a partida deste domingo. Quando se fala de “cobrança”, o Brasil e a Argentina surgem como líderes nesse capítulo.

Jorge Jesus, que leva um mês de Flamengo, fizera apenas três jogos oficiais pelo conjunto do Rio de Janeiro, empatando fora e em casa com o Athletico Paranaense nos quartos da Taça do Brasil e goleando no Maracanã o Goiás por 6-1 para o Campeonato. Na chegada ao Aeroporto Internacional Tom Jobim, dezenas de adeptos insatisfeitos pela derrota nas grandes penalidades na Taça foram protestar com os jogadores, tentaram mesmo invadir a zona de embarque e Jorge Jesus saiu mesmo do autocarro para tentar acalmar os adeptos que tinham como alvo específico o capitão de equipa, Diego, antigo jogador do FC Porto.

“Quero de volta o meu Flamengo vencedor”, “Libertadores já virou obrigação”, “Time [Equipa] mimado” ou “Não queremos dinheiro, queremos títulos” foram algumas das frases que se ouviram antes da entrada de toda a comitiva para a viagem rumo a São Paulo mas, ainda antes de chegar à zona de embarque, Diego respondeu de forma expansiva às criticas feitas pelos adeptos do Flamengo, sendo depois acalmado por alguns companheiros e elementos do staff. Também por isso, o número 10 tinha concentrados em si todos os holofotes e, após um remate desenquadrado no aquecimento, sentiu alguns adeptos visitantes a “pegar no pé”. O jogo começou e foi da fantasia do capitão que nasceu a primeira oportunidade, com defesa de Cássio (3′).

O Corinthians começou a partir desse momento a reagir e teve também um remate perigoso por Pedrinho de fora da área para defesa segura de Diego Alves ainda nos dez minutos iniciais do encontro. Depois, e até ao intervalo, algumas chances mas todas de bola parada, ou através de livres laterais ou no seguimento de cantos. O Flamengo procurava jogar em posse para entrar no último terço da formação de São Paulo, enquanto os visitantes estavam sempre atentos à possibilidade de saída em transição para encontrarem brechas na defesa contrária. Entre os poucos lances de perigo, o nulo era inevitável para lançar a segunda parte.

O Corinthians entrou de outra forma, tentando chamar a si mais posse do que nos 45 minutos iniciais, o Flamengo tentou reagir ainda que jogando muito a meio-campo e seriam mesmo os visitados a inaugurar o marcador numa saída rápida que passou por Pedrinho, Fagner e Vagner Love até o avançado ser derrubado na área por Berrio, que tinha substituído o lesionado Vitinho ao intervalo. Clayson não perdoou de grande penalidade e fez o 1-0 aos 62′, mudando por completo as características do jogo e deixando Jorge Jesus ainda mais expressivo fora da zona técnica apesar dos constantes avisos do quarto árbitro.

Apesar das substituições e do jogo mais direto, o Flamengo não conseguia criar grandes oportunidades junto à baliza de Cássio até ao canto que viria a mudar o encontro: Willian Arão teve um primeiro cabeceamento, o guarda-redes do Corinthians não conseguiu agarrar, Gabriel Barbosa marcou na recarga, o golo foi anulado mas, após quase seis minutos de consulta como VAR, o lance acabou por ser validado (90′) e o conjunto do Rio de Janeiro evitou a primeira derrota na era Jorge Jesus, que terminaria com a equipa reduzida a dez por expulsão de Berrio (90+2′). E com Gabigol no lance, o jogador que o técnico quis levar para o Sporting e foi parar ao Benfica e que marcou em todos os encontros orientados pelo português até ao momento.

“Temos vindo a melhorar de jogo para jogo e hoje, depois de estar a perder por 1-0, não era fácil arrancar qualquer coisa e conquistámos um ponto”, comentou Jorge Jesus logo após o encontro que permitiu ao Flamengo passar a somar 21 pontos no Campeonato, a cinco dos líderes Palmeiras (que perdeu) e Santos. “Sou a favor do VAR, mas há que começar a ouvir as pessoas do futebol, principalmente, os treinadores. Não se pode parar um jogo tanto tempo, quebra muita coisa”, acrescentou o treinador português, que assumiu o défice físico de alguns jogadores para o qual tentará “encontrar soluções”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)