Rádio Observador

Estados Unidos da América

O acordo secreto de mais de 5 milhões de euros pela morte de Neil Armstrong

169

Os filhos do histórico astronauta suspeitaram de negligência nos serviços pós-cirúrgicos prestados no hospital, que, querendo evitar escândalos, fez acordo milionário.

Armstrong foi internado em agosto de 2012  e morreu três dias após a intervenção, a 25 de agosto do mesmo ano

Getty Images

A morte do astronauta Neil Armstrong custou a um hospital em Ohio 6 milhões de dólares (cerca de 5,3 milhões de euros). Depois da morte do primeiro homem a caminhar na lua, dez elementos da sua família assinaram um acordo secreto milionário com a unidade hospitalar para que os detalhes sobre a sua morte não fossem revelados.

O acordo surgiu pelo facto de Mark e Rick, filhos de Armstrong, suspeitarem de negligência nos serviços pós-cirúrgicos prestados no Mercy Health-Fairfield Hospital. A instituição hospitalar aceitou então pagar uma indemnização de forma a tornar os contornos da morte secretos e assim evitar escândalos.

“O hospital, em seu nome e em nome daqueles que prestaram cuidados de saúde, concordaram em assinar um acordo confidencial de 6 milhões de dólares para evitar a publicidade que poderia surgir em nomes de certos membros da família, caso o acordo não fosse alcançado”, explicam os documentos jurídicos divulgados agora pelo The New York Times. Nestes, fica acordado que Neil Armstrong “foi submetido a uma cirurgia cardiovascular, mas complicações pós-cirúrgicas surgiram e ele morreu posteriormente”.

Os dois filhos de Armstrong, a irmã, o irmão e os seus seis netos formam o grupo de dez pessoas contidas no acordo de 6 milhões de dólares assinado em 2014.

Grande parte da indemnização (5,2 milhões de dólares) acabou por ser dividida entre os dois filhos do astronauta. O irmão e a irmã de Neil receberam 250 mil dólares (224 mil euros) cada um. Por seu lado, cada um dos seis netos recebeu 24 mil dólares (21,5 mil euros). De fora do acordo ficou Carol, a viúva de Armstrong, que não recebeu qualquer quantia. Ainda assim, confirmou ao The New York Times que esteve envolvida nas negociações.

O porta-voz do hospital recusou-se a avançar detalhes sobre o assunto, justificando que não pode comentar tratamentos individuais realizados pela instituição. À Associated Press, acrescentou que a divulgação dos factos é “muito dececionante – quer para o ministério quer para a família, que desejou manter este assunto legal privado”.

Neil Armstrong foi internado para cirurgia em agosto de 2012 e acabou por morrer três dias após a intervenção, a 25 de agosto do mesmo ano.

O 50º aniversário dos primeiros passos de Neil Armstrong na lua foi celebrado neste sábado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)