Quase nove toneladas de marfim foram apreendidas no domingo passado, 21 de julho, em Singapura. A apreensão foi uma das maiorias dos últimos anos e aconteceu apenas três meses depois de as autoridades singapurenses terem descoberto 177 quilos de marfim de elefante cortado e cravado, de acordo com o The Strait Times.

O carregamento era proveniente da República Democrática do Congo e tinha como destino final o Vietname, local de contrabando e de consumo deste tipo de produto. Estava registado como sendo madeira. Além das 8,8 toneladas de marfim, que se estima que sejam provenientes de quase 300 elefantes africanos, foram também encontradas 11,9 toneladas de escamas de pangolim. Foi a terceira apreensão deste género este ano, elevando para um total de 37,5 toneladas as escamas apreendidas deste animal desde janeiro, refere o mesmo jornal.

Como explica o The Strait Times, o pangolim é o único mamífero do mundo coberto de escamas, que utiliza para se defender. Pode ser encontrado em África, mas na Ásia. As suas escamas são muito usadas na medicina tradicional chinesa e a sua carne vista como uma iguaria em algumas culturas. É considerado o animal mais traficado do mundo.

No mercado negro, a carga apreendida no domingo passado em Singapura, que se calcula ter origem em cerca de 200 destes animais, poderia valer perto de 44 milhões de euros. Já o marfim, depois de vendido, poderia render cerca de 16 milhões de euros. O carregamento será destruído para evitar que seja novamente traficado, garantiram as autoridades.

Este domingo, foram apreendidas em Hanoi — onde esta semana foram encontrados sete tigres congelados na mala de um carro — 55 peças de corno de rinoceronte, num total de 125 quilos. A carga estava escondida em moldes de gesso, tendo despertado as suspeitas das autoridades vietnamitas. O corno de rinoceronte é muito procurado no Vietname pelas suas alegadas propriedades afrodisíacas e medicinais. Um quilo pode chegar a custar 54 mil euros.