Rádio Observador

Ministério Administração Interna

Golas? Tudo não passou de “uma polémica lançada por uma notícia falsa”, diz Cabrita

2.893

O ministro recusa comentar a polémica das golas antifumo e remete a resposta para as conclusões do relatório preliminar da Proteção Civil. Diz que polémica partiu de "notícia falsa".

As declarações de Eduardo Cabrita surgiram durante a visita do Comissário Europeu para Ajuda Humanitária e Gestão de Crise a Portimão

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, acompanhou esta sexta-feira o Comissário Europeu para Ajuda Humanitária e Gestão de Crise numa visita a Portimão, onde assegurou que o sistema de alertas à população por SMS está em “pleno funcionamento” e só não houve alertas este ano “porque ainda não houve uma situação para que tal fosse necessário”.

“O que está a ser testado é o alargamento do sistema a outras situações como ciclone de terramoto, e inundações de grande dimensão”, afirmou acrescentado que o contrato inicial “era exclusivamente para incêndios florestais”.

Quando à polémica sobre as golas inflamáveis distribuídas no âmbito do projeto Aldeia Segura, o ministro remeteu a resposta para as conclusões do relatório preliminar da Proteção Civil, realçando que nesta visita foi possível observar pessoas a usá-las e que tudo não passava de uma polémica lançada por uma “notícia falsa”. Um relatório preliminar pedido pela Proteção Civil ao Centro de Investigação de Incêndios Florestais concluiu que as golas antifumo distribuídas à população não se inflamam quando expostas ao fogo.

O Comissário Europeu para Ajuda Humanitária e Gestão de Crise agradeceu e elogiou, durante a visita, a contribuição e empenhamento de Portugal para com o mecanismo europeu de proteção civil.

Christos Stylianides afirmou que Portugal sempre esteve muito próximo e empenhado no mecanismo de apoio europeu e que “nunca disse não” a qual pedido. O que mereceu uma mensagem de agradecimento ao apoio a esse mecanismo.

O comissário Christos Stylianides veio ao concelho de Portimão, numa visita de dois dias, para conhecer os meios de prevenção aos fogos florestais e os dispositivos de apoio à população em caso de catástrofe, como aconteceu no incêndio de 2018 que afetou os concelhos de Monchique, Silves e Portimão, no distrito de Faro.

Reconhecendo o papel que Portugal tem tido no seio dos apoios fornecidos a outros países na base da cooperação europeia, agradeceu a contribuição dos portugueses no ano passado “no combate aos incêndios que assolaram a Suécia”.

As alterações climáticas e as suas implicações nas catástrofes naturais são uma das preocupações da Comissão, às quais a União Europeia tem de dar especial atenção, demonstrada pela aprovação, no início deste ano, do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, que reforça a capacidade dos Estados-membros em matéria de prevenção e resposta a catástrofes, como incêndios florestais e inundações.

Na visita foi dado a conhecer, ao comissário, o dispositivo montado no Pavilhão Arena em Portimão para acolher as pessoas retiradas das aldeias e casas afetadas pelo fogo de Monchique, o projeto Aldeia Segura — Pessoa Segura, já implementado em 1900 localidades, assim como alguns dos meios de prevenção e combate aos incêndios florestais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)