Mães e filhas calçadas por Wolf & Rita e Josefinas

Diz-se que os gostos não se discutem e, muito provavelmente, a opção de aperaltar os filhos à imagem e semelhança dos pais também não. Para os apreciadores da modalidade, duas marcas portuguesas uniram esforços (e talentos) numa colaboração que vai do tamanho 27 ao 43. Inspirados no Tropicalismo brasileiro dos anos 60, os ténis desenhados pela Josefinas e pela Wolf & Rita, marca que elevou a moda infantil portuguesa a outro nível, repetem o mesmo padrão quente e cheio de movimento em dois modelos, um para a mãe (ou para o pai, porque não?) outro para a filha ou filho. O pompom azul é o toque final. Parece que os ténis agradaram a Beyoncé, ou pelo menos aos seus consultores de estilo que, segundo a Josefinas, enviaram um e-mail a pedir dois pares, um para a Blue Ivy, outro para a Rumi. Os preços são 198 e 298 euros e a edição está à venda na lojas online de ambas as marcas.

Libre, da Yves Saint Laurent, para elas

Não é novidade nenhuma que muitas mulheres partilham de um especial gosto por perfumes masculinos, da mesma forma que não há nada de novo em afirmar que a divisão da perfumaria em função do género é, em parte, uma ferramenta de marketing. O uso das fragrâncias continua, na verdade, a ser tão subjetivo quando o olfato de cada um. Sem contrariar por completo esta lógica de mercado, mas partindo desta premissa, a Yves Saint Laurent acaba de lançar um versão feminina de Libre, perfume masculino que faz parte dos clássicos da marca francesa. A base da fórmula original foi mantida e foram adicionados ingredientes como a flor de laranjeira e a baunilha de Madagáscar, aproximando Libre da família dos aromas tipicamente femininos. Para vê-lo nas lojas, é preciso esperar até ao início de setembro. Os preços irão dos 66 aos 134, consoante a capacidade.

A Zara Home chegou à cozinha

Era uma lacuna daquelas, mas acaba de ser preenchida e em grande estilo. A Zara Home decidiu dar à cozinha a atenção que ela merece. A nova coleção inclui utensílios em cerâmica, aço e madeira, têxteis, tachos, frigideiras, travessas, cutelaria e até uma linha de pequenos eletrodomésticos em parceria com a Smeg — uma torradeira, um espremedor e um fervedor, disponíveis em preto e creme. Se juntarmos tudo, a imagem anda muito perto da de uma cozinha de sonho, onde ressalta o aspeto minimal e ao mesmo tempo artesanal das peças. A coleção já chegou às lojas, os preços vão dos 4,99 aos 149 euros.

The Chérie Collection by Concha

É um dos frutos mais consensuais da estação e o ingrediente mais inspirador para a influenciadora Constança Firmino (Concha para os amigos). Desafiada a desenhar uma coleção para a marca de acessórios Hey Harper, replicou este fruto, conhecido por andar aos pares, em delicadas peças de vidro. Além das cerejas, explorou o lado mais divertido da bijuteria estival e juntou contas com o abecedário inteiro para que qualquer pessoa possa escrever o que lhe vai na alma num único colar. Aos brincos de fios, junta uma pulseira para o pé (muitos dizem ser o acessórios deste verão) cheia de margaridas. São peças para usar ao sol e estão à venda na loja online da Hey Harper. Os preços vão dos 22,99 aos 50,99 euros.

A Vida Portuguesa <3 Sarah Affonso

São os 120 anos do nascimento da Sarah Affonso e A Vida Portuguesa assinala a data com uma coleção dedicada à obra da pintora. Cadernos, blocos de desenho, impressões para emoldurar, iniciações ao bordado, lengalengas, sacos de pano, almofadas, postais e a mini fotobiografia “A Sarah do Zé” — a seleção de pinturas, desenhos, fotografias e motivos é uma oportunidade de trazer o universo da artista portuguesa, mulher de Almada Negreiros, para o dia-a-dia. Todos os artigos foram concebidos pela equipa de design da casa e estão à venda também nas lojas da Fundação Calouste Gulbenkian, onde até 7 de outubro pode ser visitada a exposição “Sarah Affonso e a Arte Popular do Minho”. Os preços vão de 1,50 a 45 euros.

Jacquemus e a mala que não para de encolher

Para uns, é a mala da estação. Para outros, uma miniatura ridícula da versão original. O certo é que, ao fim de uma década de marca, o criador francês Simon Porte Jacquemus conseguiu fazer da Le Chiquito um verdadeiro ícone. Depois de o primeiro modelo se ter revelado um fenómeno de popularidade — com uns singelos 12 centímetros por 6 e com Rihanna e Kim Kardashian entre as celebridades que se apressaram a exibi-lo por aí — o outono de 2019 traz a versão petit, nada mais, nada menos do que uma mala com 8,5 centímetros, onde não cabe um cartão de multibanco. Se não é a mala mais pequena do mundo, é uma séria concorrente. Existe em cinco cores — verde, preto, laranja, branco e rosa — duas das quais estão esgotadas na loja online da marca. Custam 215 euros.

© Richard Bord/WireImage

“Vimos e Gostámos” é uma rubrica que pretende mostrar os novos lançamentos que vale a pena conhecer.