Rádio Observador

Comunicação Social

Cofina confirma à CMVM negociações para comprar TVI

349

Paulo Fernandes, o dono do grupo de média Cofina, terá assinado um memorando com a Prisa que lhe garantiu exclusividade nas negociações.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O grupo de media Cofina confirmou esta terça-feira em comunicado oficial que está a negociar com a empresa espanhola Prisa uma “possível oferta formal pela Media Capital”, avança o Eco. A notícia já circulava há dias nos bastidores e o Observador também confirmou a informação junto de fontes conhecedoras do processo.

Paulo Fernandes já terá assinado um memorando com a Prisa, que lhe garantiu a tal exclusividade nas negociações. Entretanto, a CMVM suspendeu a negociação das ações de ambas as empresas. “O Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, deliberou […] a suspensão da negociação das ações da Cofina — SGPS, SA e das ações do Grupo Media Capital, SGPS, SA, aguardando a divulgação de informação relevante ao mercado”, lê-se num comunicado publicado na página da internet da CMVM.

O Observador sabe que à Cofina pode juntar-se Isabel dos Santos neste negócio com a Media Capital.

O avanço da Cofina surge depois da saída de Rosa Cullell da direção da Prisa, bem como de uma tentativa fracassada de negociações com a Altice. À Rádio Observador, Rosa Cullell confirmou, a 12 de julho, que a compra não se fez porque “a Autoridade da Concorrência não pôs condições fáceis” e a Altice “não quis avaliar” as mesmas. A desvalorização da estação de Queluz, devido à acentuada descida de audiências registada nos últimos meses, bem como os valores baixos alegadamente propostos pela Altice, são também apontados como possíveis motivos para o fim das negociações.

Apesar de, segundo o Expresso, ainda não existir uma proposta com valores concretos, a assinatura do memorando parece afastar do negócio outros potenciais interessados já apontados pela imprensa, como o empresário Mário Ferreira, CEO da Douro Azul, empresa que atua na área do turismo de luxo.

O Cofina detém o Correio da Manhã, o Record, a Sábado e o Jornal de Negócios e explora também a CMTV.

Se o negócio avançar, e para passar na Autoridade da Concorrência que já levantou enormes obstáculos nas últimas negociações com a Altice, CMTV e TVI24 não podem coexistir. Ou haverá fusão com o desaparecimento de um dos canais, ou alguém compra a CMTV, um das hipóteses que tem sido considerada dentro do grupo.

Antes das negociações terem avançado, Paulo Fernandes terá feito vários contactos com profissionais da TVI para os tranquilizar. Entre eles, o diretor de informação Sérgio Figueiredo.

A TVI/Media Capital fez recentemente várias mudanças na administração, com a saída de Rosa Cullel da presidência e a sua substituição por Luís Cabral, e também a passagem de José Eduardo Moniz para a Plural.

O preço da TVI terá baixado com a queda das audiências (a RTP já se aproxima em vários dias) e a perda da liderança para a SIC.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)