Rádio Observador

PCP

PCP está solidário com motoristas mas teme limitações ao direito à greve

859

"Não haja a menor dúvida: o PCP é inteiramente solidário com os trabalhadores do setor e as suas reivindicações", afirmou Jerónimo de Sousa aos cerca de 300 militantes, no comício de verão do partido.

LUÍS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse esta quinta-feira que o partido está “solidário” com os motoristas de pesados, mas advertiu que a paralisação por tempo indeterminado em curso no setor pode contribuir para “limitar direito à greve”.

“Não haja a menor dúvida: o PCP é inteiramente solidário com os trabalhadores do setor e as suas reivindicações”, afirmou Jerónimo de Sousa aos cerca de 300 militantes presentes no comício de verão que o PCP realiza anualmente junto à praia de Monte Gordo, Vila Real de Santo António, e que serviu para apresentar o cabeça de lista da CDU pelo distrito de Faro à Assembleia da República, Tiago Raposo.

O secretário-geral do PCP considerou que “não é, entretanto, possível iludir a operação que se desenvolve e as vozes que se vão ouvindo a dar lastro para pôr em causa o direito à greve”, referindo-se a mecanismos como a requisição civil, que o Governo decretou, alegando incumprimento de serviços mínimos, para minorar os impactos da paralisação dos motoristas de matérias perigosas em curso desde as 00:00 de segunda-feira.

Jerónimo de Sousa disse que o caminho da luta pelos direitos destes trabalhadores “vai sendo feito com uma greve decretada por tempo indeterminado com uma argumentação que instrumentaliza reais problemas e descontentamento dos motoristas” e advertiu que os promotores “não se importam de dar pretextos à limitação do direito à greve, como se está a verificar”.

“Um caminho que o Governo trilha adotando medidas — serviços mínimos, requisição civil, entre outros desenvolvimentos — que limitam o direito à greve neste setor e são suscetíveis de uma invocação alargada”, criticou.

O dirigente do PCP considerou ser necessário realizar uma “luta consequente, acompanhada de uma negociação coletiva, que resolva os problemas”, mas que “reafirme a defesa do efetivo exercício do direito à greve”, e remeteu para o processo negocial em curso entre os patrões da camionagem e a federação sindical da CGTP.

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) e a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) assinaram na quarta-feira um acordo relativo ao contrato coletivo de trabalho no Ministério das Infraestruturas e da Habitação, em Lisboa, mas a associação empresarial manteve a recusa em se reunir com o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), que convocou a greve por tempo indeterminado, e com o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), enquanto não se desconvocar a paralisação.

“Tendo sido ontem obtido um protocolo de acordo com novos avanços, no plano dos salários, dos direitos e das condições de trabalho, é necessário que se finalizem as negociações, que os motoristas beneficiem da aplicação desses avanços em 2020, sem prejuízo da negociação para os próximos anos, e que seja garantida uma intervenção da Autoridade das Condições de Trabalho de modo a combater o desrespeito por parte do patronato dos direitos acordados”, defendeu ainda o secretário-geral do PCP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Política

8 discursos universais

João Araújo

Os discursos universais são o instrumento que permite inocular grandes doses de narrativa inativada gerando um espaço público pimba ao imunizar as pessoas contra o que realmente conta: a substância.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)