Fechou. O mercado de verão da temporada 2019/20 encerrou na meia-noite de segunda para terça-feira e todos os negócios estão (praticamente) fechados. O último dia da janela de transferências, sem ser alucinante, teve vários pontos de interesse: no plano português, o Sporting dominou as operações — tanto nas entradas como nas saídas — e as grandes novidades foram mesmo a quase ausência do nome de Bruno Fernandes e a saída de Thierry; no plano europeu, Neymar ficou no PSG, que trocou de guarda-redes com o Real Madrid, Icardi renovou com o Inter Milão para rumar a Paris e a Roma de Paulo Fonseca mexeu-se muito bem no mercado.

Fechou o mercado de verão: os reforços e as saídas no Sporting, a troca entre Real Madrid e PSG e Icardi

As saídas no Sporting: Raphinha triplica investimento, Thierry foi a novidade, Diaby emprestado

Depois de a saída de Raphinha ficar praticamente fechada ainda este domingo, a confirmação da ida do ala brasileiro para os franceses do Rennes surgiu esta segunda-feira. Depois de registar o melhor arranque de temporada da carreira, com dois golos em cinco jogos e enquanto titular indiscutível dos leões, Raphinha deixa Alvalade após apenas uma época — marcou sete golos em 36 jogos para todas as competições e conquistou uma Taça da Liga e uma Taça de Portugal — e praticamente triplica de valor, já que o Sporting pagou 6,5 milhões ao V. Guimarães no verão passado e agora recebe 21 milhões. Os leões ficam ainda com 10% de futuras mais valias, ou seja, 10% de qualquer venda superior aos tais 21 milhões de euros.

Raphinha sai depois do melhor arranque, Podence vai render alguns milhões. Agora, Sporting procura fechar avançado

A principal novidade do dia do Sporting acabou por ser a saída de Thierry Correia, lateral de apenas 20 anos que conquistou a titularidade face às lesões de Ristovski e do reforço Rosier. Thierry sai a título definitivo para a Valencia a troco de 12 milhões de euros, num negócio que se torna particularmente relevante e benéfico para os leões na medida em que o jogador, à partida, de forma natural e em condições normais, era o terceiro lateral direito da equipa de Marcel Keizer. O interesse do clube espanhol surgiu numa altura em que Piccini, contratado pelo Valencia ao Sporting no verão passado, se lesionou gravemente — e cerca de um mês depois de os espanhóis terem estado no Troféu Cinco Violinos, em Alvalade, num jogo onde Thierry foi titular e esteve em destaque.

Juntos, Thierry Correia e Raphinha renderam um encaixe financeiro de 33 milhões de euros ao Sporting

A saída do jovem lateral ao fim de apenas cinco partidas com a equipa principal do Sporting por um valor acima dos 12 milhões de euros acaba por ser, provavelmente, o negócio mais positivo dos leões nesta janela de verão. Tanto financeiramente, por motivos óbvios, como desportivamente: se Raphinha é vendido por 21 milhões mas a equipa de Alvalade perde um titular indiscutível e um dos jogadores mais influentes deste início de temporada, a verdade é que a titularidade de Thierry acabaria por estar a prazo face aos regressos de Ristovski e Rosier.

Por fim, numa saída algo anunciada, Diaby foi emprestado por um ano aos turcos do Besiktas, que ficam com uma opção de compra de cinco milhões de euros. O avançado maliano, que chegou a Alvalade ainda durante o período em que foi a Comissão de Gestão liderada por Sousa Cintra a tomar conta dos desígnios leoninos, sai do Sporting depois de uma temporada em que fez sete golos ao longo de 44 jogos para todas as competições. Já depois da meia-noite, os leões anunciaram ainda a rescisão de contrato com o lateral Jefferson, que já não estava integrado no plantel.

O avançado maliano chegou ao Sporting quando ainda estava em vigor a Comissão de Gestão liderada por Sousa Cintra

As entradas no Sporting: um brasileiro, um ex-Real Madrid e PSG e um congolês emprestado por Marco Silva

No painel das entradas, o Sporting começou por oficializar Fernando, ala brasileiro de 20 anos que chega a título de empréstimo por um ano proveniente do Shakhtar Donetsk. O jogador formado no Palmeiras mudou-se para o futebol europeu na temporada passada, quando ainda era Paulo Fonseca o treinador dos ucranianos, e sai da equipa agora orientada por Luís Castro para procurar regularidade nos leões, renovando contrato com o Shakhtar antes de confirmado o empréstimo. Fernando é destro, joga normalmente no corredor esquerdo para depois procurar terrenos interiores mas também atua enquanto segundo avançado.

A segunda entrada no plantel de Marcel Keizer foi Jesé Rodríguez, avançado de 26 anos formado no Real Madrid que chega, tal como Fernando, para cumprir um ano de empréstimo. O espanhol pertence agora aos quadros do PSG, que desembolsaram 25 milhões de euros por Jesé em 2015/16 e o emprestaram a Las Palmas, Stoke City e Betis nas últimas três temporadas. O avançado ainda entrou nos instantes finais do último jogo do clube francês, na sexta-feira perante o Metz, mas vai mesmo reforçar o ataque leonino e ser o substituto de Bas Dost. Jesé chega a custo zero e o Sporting deve ficar com o encargo de apenas 30% do salário do avançado, uma quantia que encaixa perfeitamente nas balizas financeiras dos leões — sendo que o salário líquido espanhol, na sua totalidade, é na verdade superior aos três milhões anuais que Dost auferia e que foram um dos principais motivos da saída do holandês.

O avançado de 26 anos esteve emprestado ao Betis na última temporada

Por fim, Yannick Bolasie. O extremo de 30 anos que faz parte dos quadros do Everton do Sporting chega também por empréstimo, válido por um ano, depois de ter estado cedido ao Aston Villa e depois ao Anderlecht na época passada. O jogador congolês custou 30 milhões de euros ao Everton em 2016, na altura em que se transferiu do Crystal Palace, mas uma rotura total dos ligamentos do joelho em dezembro desse mesmo ano acabou por travar a progressão e a carreira de Bolasie, que esteve praticamente um ano sem competir. Ainda assim, enquanto jogador de choque, facilmente comparável a Marega, marcou oito golos em ligas competitivas como o Championship e o campeonato belga e é um injeção de força no conjunto de Marcel Keizer.

Fechadas as saídas e as entradas, a permanência. Bruno Fernandes, protagonista de uma das grandes novelas do mercado e associado ao longo do verão a Manchester United, Tottenham e Real Madrid, acaba por não sair no final da janela de transferências e existem três perguntas que ficam sem resposta: a saída fica adiada até janeiro? A saída fica adiada até ao final da temporada? Confirmada a saída, em janeiro ou em junho, realiza-se para onde? Não sendo líquido que Bruno Fernandes siga para o Real Madrid — principalmente tendo em conta que, tanto no inverno como no verão, volta a estar em cima da mesa a possibilidade de uma ida para a Premier League que o jogador privilegia –, a verdade é que os merengues estão numa posição de destaque na corrida pelo internacional português.

Roderick esteve emprestado ao Olympiacos na temporada passada e agora foi cedido pelo Wolves ao Famalicão

Ainda no futebol português, o V. Guimarães garantiu a contratação de Marcus Edwards, jovem médio do Tottenham que chega a custo zero porque rescindiu com os spurs e fica com uma cláusula de rescisão de 15 milhões de euros. O Benfica confirmou Morato, central de 18 anos que chega do São Paulo para integrar a equipa B, Lucas Piazón foi emprestado pelo Chelsea ao Rio Ave, o Sp. Braga garantiu os centrais Uche Henry e Wallace, Roderick chega a título de empréstimo ao Famalicão, cedido pelo Wolverhampton de Nuno Espírito Santo, e o FC Porto anunciou a chegada de Mendy, central de 18 anos que vai para a equipa Sub-19, e o empréstimo do guarda-redes Vaná também ao Famalicão.

Neymar ficou, Real Madrid e PSG trocaram de guarda-redes e Roma de Paulo Fonseca dominou o mercado

No futebol internacional, e um pouco à semelhança do que aconteceu com Bruno Fernandes, Neymar ficou no PSG depois de avanços e recuos de Real Madrid e Barcelona (e ainda da Juventus) — com os catalães a oferecerem 130 milhões, Rakitic e o empréstimo de Dembélé na semana passada — e os jornais espanhóis garantem que o brasileiro será novamente um alvo dos blaugrana no próximo verão. Real Madrid e PSG não chegaram a acordo sobre Neymar mas chegaram a acordo sobre os respetivos guarda-redes: Keylor Navas, que esteve perto de reforçar o FC Porto no início do mercado, sai a título definitivo para Paris a troco de 15 milhões de euros e Alphonse Areola, jovem guarda-redes francês, ruma ao Santiago Bernabéu mas por empréstimo válido por uma época. Já Mauro Icardi, depois de um ano de indecisões, problemas e polémicas no Inter Milão, renovou com os italianos e saiu para o PSG, cedido durante um ano, para colmatar as lesões de Cavani e Mbappé.

André Silva, que estava na shortlist do Sporting para substituir Bas Dost e foi também oferecido ao Benfica nos últimos dias, rumou ao Eintracht Frankfurt, onde se junta precisamente ao holandês e ainda a Gonçalo Paciência, a título de empréstimo válido por dois anos; no sentido inverso, o croata Ante Rebic reforça o AC Milan. Manuel Fernandes, que também esteve em cima da mesa de negociações leonina, continua na Rússia mas troca o Lokomotiv Moscovo pelo Krasnodar a custo zero, trocando também a Liga dos Campeões pela Liga Europa. Por fim, a Roma de Paulo Fonseca. O clube italiano, que já tinha garantido o central Smalling, o guarda-redes Pau López e o lateral Spinazzola, fechou no último dia de mercado o ponta de lança Kalinic, que chega emprestado pelo Atl. Madrid, e ainda Mkhitaryan, também cedido mas pelo Arsenal (e segurou Dzeko, que esteve quase de saída).