Rádio Observador

França

Caso de lusodescendente que morreu afogado continua a agitar França. Há novos dados sobre o telemóvel de Steve Maia Caniço

Telemóvel do lusodescendente ainda estava ligado quando a polícia interveio no cais onde se passava a festa na noite em que rapaz caiu ao rio. Imprensa diz que telemóvel estava ainda ativo às 04h33.

Um mural do lusodescendente em Nantes, França

THIBAULT VANDERMERSCH/EPA

O telemóvel do lusodescendente Steve Maia Caniço, que morreu afogado numa queda no rio Loire após uma intervenção policial numa festa, terá continuado a funcionar depois da hora divulgada pela polícia, noticia esta quarta-feira a imprensa francesa.

Segundo a edição desta quarta-feira do jornal francês “Canard Enchaîné”, o telemóvel de Steve Maia Caniço estava ainda ativo às 04h33, uma hora depois de as autoridades terem dito, no fim de julho, que encontraram atividade no telefone.

Steve Maia Caniço desapareceu na madrugada de 22 de junho após uma intervenção policial numa festa num cais, em Nantes, no âmbito da Festa da Música, uma data celebrada a nível nacional com diferentes eventos em toda a França. Cinco semanas depois, o corpo do jovem de 24 anos foi encontrado no rio Loire. Steve Maia Caniço não sabia nadar e morreu afogado.

Esta nova informação, confirmada por vários meios de comunicação, mostra que o telemóvel do lusodescendente ainda estava ligado quando a polícia interveio no cais onde se passava a festa e, possivelmente, quando Steve Maia Caniço caiu ao rio.

Foi o próprio primeiro-ministro, Édouard Philippe, que anunciou no fim de julho que um relatório da Inspeção Geral da Polícia Nacional, mostrou que “não havia qualquer ligação” entre a morte de Steve Maia Caniço por afogamento e a intervenção policial no lugar onde este se encontrava.

Mas esta não é a opinião da família nem da sua advogada, Cécile De Oliveira. “A polícia não devia ter intervindo daquela forma, naquele lugar, naquela noite”, afirmou a advogada, em declarações à agência Lusa.

Os relatos dos amigos e outras pessoas que estavam na festa naquela noite dão conta que a intervenção da polícia gerou pânico e houve mesmo utilização de gás lacrimogéneo.

Sem falar abertamente de violência policial, a advogada defende que será durante o processo de instrução, que pode demorar até dois anos, que poderá ser “declarada ou não a ligação da polícia com a morte de Steve”. O processo decorre no Tribunal de Rennes e está aberto contra desconhecidos.

Até ao final desta semana, espera-se que um novo relatório da Inspeção Geral da Administração, que controla o Ministério do Interior, revele se a intervenção da polícia naquela noite, no cais onde decorria a festa em Nantes, foi ou não justificada.

Esse relatório vai mostrar se a administração funcionou bem nesta situação, mas será a instrução do processo a designar as responsabilidades na morte de Steve”, disse ainda Cécile De Oliveira.

A família de Steve Maia Caniço não terá pedido ajuda às autoridades portuguesas – e o jovem não teria nacionalidade portuguesa -, mas está a receber apoio psicológico em França através das autoridades locais.

Além de Steve Maia Caniço, outras pessoas caíram ao rio Loire nessa noite e terão sofrido ferimentos durante a intervenção policial, estando também a decorrer em paralelo outro processo com 84 vítimas que pretendem provar a utilização de força excessiva naquela ocasião.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)