Em pouco mais de um minuto, Jerónimo de Sousa exigiu que “sejam apuradas todas as responsabilidades” no caso de Tancos. No dia em que o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes ficou a conhecer a acusação do Ministério Público, o PCP defendeu que é “necessário apurar todas as responsabilidades, em particular as que resultam das gravíssimas acusações” ao ex-ministro.

Na curta declaração, sem tempo para questões dos jornalistas, o secretário-geral do partido defendeu que “ninguém pode esconder a gravidade do que está em causa” e que é necessário apurar “todas as responsabilidades, em particular as que resultam das gravíssimas acusações que são imputadas ao ex-ministro da defesa, a justiça deve decidir”.

Sobre a comissão de inquérito, Jerónimo afirmou que “se tivesse sido feito o que o partido defendia a situação teria sido diferente”. Ou seja, criar a comissão de inquérito depois da conclusão da investigação. “Ninguém nos acompanhou nesta posição, incluindo o CDS”, apontou Jerónimo de Sousa que acusou ainda o CDS de ter “duas caras”. Para o PCP, independentemente do governo “seja PS, PSD ou CDS a justiça tem de ter condições para trabalhar e apurar todas as responsabilidades”.

Jerónimo afirmou ainda que “havendo condenação” será necessário apurar também “se o ex-ministro prestou ou não falsas declarações perante a comissão de inquérito”.