Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O serviço de urgência do Hospital de São Bernardo, em Setúbal, esteve na tarde deste domingo sem receber ambulâncias, por não conseguir dar resposta à afluência de doentes à urgência.

A informação foi confirmada ao Jornal de Notícias por uma fonte oficial do Centro Hospitalar de Setúbal, que classificou a situação como um “constrangimento pontual”. Ao que o jornal e a SIC apuraram, a medida foi comunicada aos bombeiros pelo CDOS ao meio-dia e previa-se que durasse até às 8h de segunda-feira. Contudo, a partir das 16h30, “o serviço voltou a funcionar normalmente”, como confirmou fonte hospitalar ao JN.

Ao mesmo jornal, os bombeiros das corporações de Águas de Moura e de Palmela afirmaram estar surpreendidos pela decisão, visto que se têm verificado constrangimentos no acesso às urgências em Setúbal ao longo de toda a semana. O comandante dos bombeiros de Palmela diz que “tem sido hábito” as ambulâncias ficarem retidas no Hospital de São Bernardo e o de Águas de Moura afirma que os serviços têm demorado “duas a três horas” em vez de uma hora, “porque as ambulâncias simplesmente não podem sair do hospital sem as macas que levam os doentes”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR