Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ao contrário do que os analistas previram e, sobretudo, Wall Street esperava, os resultados obtidos pela Tesla no 3º trimestre de 2019 foram positivos. E a vários níveis. Apesar de ter atingido um total de 97.186 veículos transaccionados entre Julho e Setembro, o melhor valor de sempre, os mercados esperavam que o fabricante americano de veículos eléctricos revelasse prejuízos na casa dos 0,20 dólares por acção. Contudo, a marca anunciou lucros de 1,91$ por acção, isto ainda antes de poder contar com a Gigafactory 3, a fábrica chinesa que deverá começar a produzir este mês.

Os dados referentes ao trimestre confirmam a redução da facturação específica do negócio automóvel, o que era de esperar devido à necessidade de acomodar a chegada dos Audi e-tron, Mercedes EQC e até o Porsche Taycan. Daí que, neste capítulo, a Tesla tenha facturado apenas 5.353 milhões de dólares, contra 5.376 no trimestre anterior, período durante o qual comercializou menos 1.830 veículos.

Contudo, a empresa revelou-se mais eficiente, como o prova o facto de ter conseguido incrementar as margens brutas para 22,8%, contra 18,9% no 2º trimestre, a que correspondeu um lucro bruto de 1.222 milhões de dólares, mais cerca de 200 milhões do que no trimestre anterior. Veja aqui o relatório na íntegra.