Na noite de segunda-feira, caiu a bomba na seleção inglesa. Raheem Sterling, provavelmente o jogador inglês em maior, melhor e mais destacado pico de forma nesta altura, tinha sido excluído pelo selecionador Gareth Southgate do jogo desta quinta-feira com Montenegro. O motivo da decisão, ainda assim, foi o que maior burburinho causou. O avançado do Manchester City envolveu-se em confrontos físicos com Joe Gomez, um dia depois de os dois já se terem pegado na derrota dos citizens com o Liverpool, e o treinador britânico não hesitou em aplicar um grave castigo a Sterling.

O jogador justificou-se nas redes sociais, explicou que tudo acabou em “15 ou 20 segundos”, Southgate lembrou que “as famílias têm discussões”, Rio Ferdinand criticou a opção do selecionador mas o que é certo é que esta quinta-feira, em Wembley, Sterling não estava mesmo na lista de Inglaterra para a decisiva receção a Montenegro. Ainda assim, acabou por estar presente: pelo menos de forma empírica. Aos 70 minutos daquele que foi o jogo 1000 da história da seleção inglesa, Joe Gomez entrou para substituir Mason Mount e foi assobiado pelos milhares de adeptos presentes nas bancadas.

O jogo, de forma global, acabou por correr bem melhor a Inglaterra do que a semana fez por adivinhar. Os ingleses golearam os montenegrinos por 7-0 com um hat-trick de Harry Kane e uma estreia a marcar do jovem Tammy Abraham e carimbaram o passaporte para o Campeonato da Europa do próximo ano. A equipa de Gareth Southgate faz então parte do grupo de quatro seleções que esta quinta-feira conseguiram assegurar a presença na fase final do Euro: a Turquia só precisou de empatar em casa com a Islândia para garantir um lugar, a campeã do mundo França venceu a Moldávia e também tem o apuramento confirmado e a República Checa, que esteve a perder com o Kosovo mas deu a volta ao resultado, também alcançou a qualificação.

Quer isto dizer que são já dez as equipas apuradas para o Euro 2020: Bélgica, Itália, Rússia, Polónia, Ucrânia, Espanha, Turquia, França, Inglaterra e República Checa. Faltam 14 para as 24 seleções finais e Portugal só precisa de vencer o Luxemburgo no próximo domingo para ser desde já uma delas. De recordar que a Seleção Nacional já não vai conseguir ficar nem no Pote 1 nem no Pote 2 da fase final do Europeu — o primeiro é reservado aos seis melhores primeiros classificados, posição onde Portugal já não vai chegar, e o segundo fica com os quatro piores primeiros e os dois melhores segundos, lugares que também já estão fora do alcance das ambições portuguesas face à diferença de pontos para equipas como a Turquia ou a Rússia. A seleção portuguesa aspira agora a ser uma das seis segundas classificadas seguintes para cair no Pote 3 e não ficar relegada para o quarto e último Pote, à mercê dos principais “tubarões”.