A Nike abandonou a Amazon. A marca desportiva vai deixar de vender as suas peças de roupa e calçado diretamente através da Amazon. A informação é avançada pela Bloomberg.

Em 2017, quando foi celebrado o acordo, a Nike concordou vender uma variedade limitada de produtos para a Amazon, em troca de política mais rigorosa de controlo das falsificações e restrições às vendas não autorizadas dos seus produtos. Dois anos depois, a marca desportiva decidiu sair do acordo para dar prioridade à venda dos produtos através da sua própria plataforma e nas lojas físicas.

Continuaremos a investir em parcerias fortes e distintas para a Nike com outros retalhistas e plataformas para servir os nossos consumidores em todo o mundo”, anunciou a marca através de um comunicado.

Apesar da rutura, a Nike irá manter-se como cliente da Amazon Web Services, para suporte à sua página da internet e aplicativos móveis.

No último trimestre, a Nike aumentou a sua receita em 7% em relação ao ano anterior, com vendas da ordem dos 10,2 mil milhões de dólares. Segundo Mark Parker, atual CEO da Nike, esse crescimento deveu-se, em grande parte, ao impulso da  Nike Direct e Nike Plues, a divisão responsável pelas vendas no próprio site.