As 96 empresas de ‘contact centers’ (centros de contacto) em Portugal tiveram uma faturação total de 593 milhões de euros no ano passado, mais 10,6% do que em 2017, foi hoje divulgado.

De acordo com uma análise feita pela Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC), com base na Central de Balanços do Banco de Portugal, no ano passado extinguiram-se oito empresas do setor e foram criadas outras 16.

No mesmo período existiam 12 grandes empresas, 12 médias, 18 pequenas e 54 microempresas no setor.

O estudo feito a partir dos dados do Banco de Portugal refere ainda que as cinco empresas mais antigas em 2018 concentravam 61,9% dos recursos humanos e 66,3% do volume de faturação da totalidade dos agentes económicos considerados.

Em 2018, 36,5% destas empresas tinham capitais próprios negativos e 41,7% tiveram resultados líquidos negativos.

No ano passado, 58,3% das empresas de ‘contact centers’ localizavam-se na Área Metropolitana de Lisboa, onde se encontravam 91% dos recursos humanos e se realizava 88% da faturação da totalidade das empresas, 63,5% das quais tinham até cinco anos e cinco delas com mais de 20 anos.

O peso das importações nas compras destas empresas foi de 16%, enquanto o peso das exportações nas vendas atingiu 62,2%.

A agregação feita pelo Banco de Portugal engloba apenas os balanços das empresas que têm a atividade de ‘contact center’ no seu CAE (Código de Atividade Económica), não incluindo os ‘contact centers’ de gestão própria ou os prestadores deste serviço que não o identificam no seu CAE.