Donald Trump conhece ou não o filho da Rainha de Inglaterra que foi ligado a um escândalo sexual? “Eu não conheço o príncipe André, mas é uma história dura”, respondeu Trump aos jornalistas à margem da cimeira da NATO, esta semana.

O problema, notado por vários órgãos de comunicação social, incluindo a CNN, é que não é verdade, como provam diferentes fotografias tiradas este ano e, antes disso, no início do século.

O presidente norte-americano foi fotografado ao lado do Duque de York durante a visita de estado que fez ao Reino Unido em junho.

O Duque de York foi um dos anfitriões de Donald Trump, quando o presidente americano visitou Londres este verão (Jeff J Mitchell/Getty Images)

Esta não foi, no entanto, a primeira vez que Donald Trump esteve com o filho da Rainha de Inglaterra. Já no ano 2000, o então empresário foi fotografado com Melania e com o príncipe André.

Donald Trump foi fotografado no ano 2000 com Melania e o príncipe André (Getty Images)

O príncipe André já negou qualquer envolvimento sexual com Virginia Guiffre, que diz ter sido por ele forçada a ter relações sexuais quando era ainda menor de idade.

A mulher norte-americana, que diz ter sido obrigada a fazer parte de um esquema de tráfico de mulheres liderado pelo milionário Jeffrey Epstein, reafirmou esta semana à BBC que foi forçada a manter relações sexuais com o príncipe em três ocasiões, quando ainda tinha 17 anos. “Isto não é uma história sexual sórdida. Isto é uma história sobre tráfico. Isto é uma história de abuso e é uma história do tipo da vossa realeza”, disse Virginia Guiffre aos ingleses.

A entrevista da mulher norte-americana foi gravada antes da entrevista do príncipe André à mesma estação, em que o duque negou ter estado com Virginia na data em causa, porque tinha ido a uma pizzaria.

Na sequência desta entrevista, o príncipe acabaria por ser afastado das suas responsabilidades oficiais, embora o Palácio de Buckingham tenha mais uma vez negado o envolvimento do filho da Rainha de Inglaterra. A Família Real declarou que André “tem uma profunda compaixão pelas pessoas afetadas” pelo escândalo de Epstein.