Os mais de 3 mil glaciares neozelandeses estão a ficar castanhos devido às cinzas dos incêndios australianos que podem contribuir para o seu desaparecimento.

Segundo o que um especialista em atmosfera e ambiente disse ao The Guardian, os efeitos das cinzas e da poeira deverão afetar os glaciares durante um ano e poderão causar o degelo de até 30% do seu volume. Andrew Mackintosh, que estuda os glaciares neozelandeses há duas décadas, referiu ainda que “é bastante comum que a poeira seja transportada”, mas acrescenta que a quantidade “a chegar agora é fenomenal”: “Nunca vi nada assim”.

Os glaciares ficaram, para já, castanhos. O especialista diz que em março, com o desenvolvimento das algas, o gelo poderá ficar cor de rosa.

Desde a década de 1970 que investigadores têm vindo a registar a diminuição em quase um terço dos glaciares deste país. É expectável que desapareçam até ao final da década.

[Na Austrália, as chamas já devoraram um território maior do que a Dinamarca]

Helen Clark, antiga primeira-ministra neozelandesa, expressou a sua preocupação com os desastres naturais na Austrália, através do Twitter. “Como a tragédia de um país pode ter efeitos colaterais. Os incêndios australianos criaram nevoeiro na Nova Zelândia com particular impacto a sul da Ilha do Sul, ontem. A nuvem está a espalhar-se. O impacto da cinza nos glaciares pode acelerar o seu degelo”, escreveu.

Fogos na Austrália. Navios prontos para retirar pelo menos quatro mil pessoas à força até sábado