A investidura do líder socialista espanhol Pedro Sánchez como chefe de um governo de coligação com o Podemos — cuja votação final está agendada para esta terça-feira — pode estar dependente do deputado único do pequeno partido local Teruel Existe, de acordo com a imprensa espanhola.

Depois de a Coalición Canaria ter invertido o sentido de voto, opondo-se à investidura do governo PSOE-Podemos (que falhou no último sábado), as atenções focam-se agora em Tomás Guitarte, cujo voto poderá ser decisivo na votação de terça-feira.

Pedro Sánchez e Pablo Iglesias falharam, sem surpresa, a investidura na primeira votação, uma vez que no primeiro escrutínio é necessária maioria absoluta (que no parlamento espanhol se alcança ultrapassando os 175 votos). No sábado, 166 deputados votaram a favor, 165 votaram contra e 18 abstiveram-se.

Sánchez conta com 166 sins para ser investido na terça-feira, 48 horas depois de falhar a primeira tentativa

A previsão inicial apontava para que Sánchez e Iglesias obtivessem 167 votos a favor e 165 contra. Porém, a falta de uma deputada do Unidas Podemos fez com que a coligação contasse com menos um voto.

Agora, na segunda votação, basta uma maioria simples. Para que Sánchez e Iglesias sejam investidos no Governo, é suficiente que o número de “sins” seja maior do que o de “nãos”.

É aqui que o voto de Tomás Guitarte se antevê como essencial. A manter-se a perspetiva de que 167 deputados votem a favor e 165 votem contra, basta que Tomás Guitarte inverta o seu sentido de voto para que o Governo PSOE-Podemos volte a falhar a investidura.

Quem já percebeu isto foi o PP, que, de acordo com o jornal regional espanhol Heraldo, já veio pedir ao pequeno movimento que vote contra Sánchez.

O Teruel Existe é um movimento de cidadãos criado em 1999 para pedir um tratamento mais justo para a província de Teruel, em Aragão. Em novembro, foi o partido mais votado em Teruel, tendo obtido 26,45% dos votos.

Pedro Sánchez falha investidura. Na terça-feira há nova votação (e será mais fácil)

Eleito com 19.696 votos, Tomás Guitarte foi o deputado a precisar de menos eleitores para assegurar um lugar no Parlamento espanhol.

De acordo com a imprensa espanhola, o deputado único do Teruel Existe tem sofrido pressões de todos os lados relativamente ao seu sentido de voto na investidura de Sánchez. Mas, como lembra o Ok Diário, será altamente improvável que Tomás Guitarte inverta a sua posição.

É que, de acordo com aquele jornal, ao longo de sucessivas administrações públicas lideradas pelo PSOE, a empresa Arquilab SL, de Tomás Guitarte, recebeu 426.950 euros em adjudicações de contratos públicos de arquitetura — designadamente a construção do novo hospital de Teruel, contrato em que a empresa recebeu 350 mil euros.

A imprensa espanhola diz inclusivamente que o “sim” de Guitarte tem um preço além destes contratos adjudicados à empresa do líder do movimento. Guitarte negociou com Sánchez que, em troca do apoio na investidura, o PSOE não iria dar continuidade ao projeto de encerramento das bilheteiras da Renfe (operadora ferroviária pública espanhola) nas estações com menor afluência de passageiros. Várias das bilheteiras “marcadas” para fechar são da região de Aragão.