A proposta de orçamento para 2020 é claramente a melhor dos últimos anos, defendeu o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, dando como exemplo a continua aposta na Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). As declarações foram feitas esta terça-feira durante a audição de Manuel Heitor na Assembleia da República, onde os deputados estão a discutir na especialidade a proposta de Orçamento do Estado para 2020.

Para Manuel Heitor, o documento em discussão “é claramente o melhor orçamento dos últimos anos”, uma vez que traz um reforço de verbas para a área da ciência, da tecnologia e do ensino superior e representa uma continuidade das políticas iniciadas na anterior legislatura. O ministro salientou “a evolução do futuro da investigação e da ciência” já conseguida, mas admitiu que ainda há um caminho a percorrer: “Queremos fazer mais e temos a ambição de dar mais aos nossos jovens” com o objetivo de “chegar a 2030 numa Europa completamente integrados”.

Lembrando que “não há conhecimento sem ciência”, Manuel Heitor salientou o investimento feito na FCT, cuja execução atingiu um “novo máximo de 510 milhões de euros em 2019”, o que significa um crescimento de cerca de 33% desde 2015.

A execução da FCT em 2019 cresceu cerca de 13% face a 2018 e cerca de 33% ao longo dos últimos quatro anos, totalizando um investimento de 496 milhões de euros. A despesa de funcionamento foi de cerca de 13,8 milhões de euros, num total executado de 510 milhões de euros. Manuel Heitor salientou que o crescimento de execução da FCT tem por base uma política assente na qualificação e emprego de recursos humanos qualificados e na valorização e ciência e tecnologia.

O governante referiu ainda o aumento de bolsas doutoramento e pós-douturamento apoiadas diretamente pela FCT (de 971 em 2015 para cerca de 1700 em 2019), prevendo-se chegar às 1950 até 2023.