Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um tribunal de Turin, em Itália, declarou que um trabalhador de uma empresa de telecomunicações teve um tumor cerebral devido ao uso regular do telemóvel. A decisão, tomada esta semana, vem confirmar o defendido em 2017 por um tribunal local italiano, o primeiro a concluir que existe uma ligação entre os telemóveis e o desenvolvimento de tumores, apesar da falta de evidências científicas.

Robert Romeo trabalhava para a Telecom Itália quando foi diagnosticado com um neuroma do acústico, um tumor cerebral benigno que tem origem na orelha interna. Romeo passava entre quatro a cinco horas por dia ao telefone e, segundo o seu advogado, “não existe nenhuma outra explicação para o desenvolvimento do tumor”.

Os juízes de Turin concordaram, e esta semana decidiram que “existem elementos sólidos” para afirmar que existe uma ligação entre “a exposição do indivíduo às frequências de rádio dos telemóveis e a doença que surgiu”, cita o The Guardian. De acordo com este jornal, a decisão foi tomada com base nos estudos de dois médicos nomeados pelo tribunal sobre o risco do desenvolvimento de tumores cerebrais em pessoas que falam ao telefone por dia 30 minutos por dia durante um período de dez anos.

O tribunal decretou que Romeo receba uma indemnização da seguradora da Telecom, a Inail, mas esta pode ainda recorrer da decisão, entretanto criticada pelo ex-presidente do Instituto da Saúde, Walter Ricciardi. O ministro da Saúde italiano também já reagiu. Apesar de ter dito que respeitava a decisão dos juízes, Roberto Speranza defendeu a opinião da Organização Mundial de Saúde (OMS) de que não existem provas de que os telemóveis provoquem cancro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR