Ainda tem pedais e volante, mas o foco é a condução completamente autónoma. O Project Vector tem sido trabalhado no maior dos segredos pela Jaguar Land Rover, que só agora decidiu tornar público os esforços que tem colocado na criação de um veículo capaz de prescindir de condutor, com um aspecto muito semelhante a outros projectos com a mesma orientação, como é o caso do Volkswagen Sédric ou do mais avançado Cruise Origin, modelo que, segundo a General Motors, está pronto para passar à produção.

O Vector, à semelhança dos exemplos acima citados, visa essencialmente o meio urbano, procurando constituir-se como uma alternativa mais “limpa” para as deslocações na cidade. Daí que o veículo seja compacto (4 metros de comprimento) e flexível, para se poder adaptar a diferentes necessidades. Recorre a uma plataforma plana, onde se encontram alojadas as baterias e a mecânica eléctrica, abrindo assim espaço para uma solução tipo “cápsula”, com uma ampla superfície vidrada e um interior explorado ao máximo, permitindo várias configurações dos bancos. Ou seja, convertendo o Vector numa viatura que tanto pode ser utilizada por um particular, como pode estar ao serviço de uma empresa de car-sharing ou assumir-se como um veículo comercial, capaz de assegurar entregas de última hora, por exemplo.

Embora apresentado como uma solução autónoma para a mobilidade urbana do futuro, não foi referido qual o nível de automatização actual do Vector, com a Jaguar Land Rover a indicar apenas que este protótipo funcional está equipado com um sistema muito avançado – o que necessariamente corresponderá a uma tecnologia de condução autónoma de nível 4 ou 5.

O projecto é financiado pelo maior grupo automóvel britânico, mas está a ser desenvolvido em meio académico, no National Automotive Innovation Centre. “Com a força tecnológica e engenharia de excelência da Jaguar Land Rover, podemos fornecer uma oportunidade única para que as mentes mais inovadoras possam desenvolver serviços de mobilidade urbana altamente funcionais, perfeitamente integrados na vida quotidiana”, declarou o responsável pelo Project Vector, Tim Leverton. Segundo ele, “as deslocações urbanas do futuro serão um misto de veículos particulares e partilhados, com acesso a serviços contratados e a pedido, a par dos transportes públicos disponíveis”, razão pela qual o Vector está a ser desenhado como uma peça flexível na malha citadina.

Embora todo este discurso possa soar a futurístico, a realidade é que a Jaguar Land Rover assume que tenciona “colaborar com a Câmara Municipal de Coventry e com as autoridades de West Midlands, de modo a poder fornecer um serviço de mobilidade em 2021, como se fosse um laboratório vivo para a mobilidade do futuro nas ruas da cidade britânica”.