A Landing.Jobs, uma startup portuguesa que gere uma plataforma de recrutamento online para o setor das tecnologias de informação, levantou dois milhões de euros numa série A (a primeira grande ronda de investimento). Por detrás desta aposta está o grupo português LC Ventures e o investidor alemão Jacobo UG Investment.

Este montante levou a empresa a fazer um exit (sair) da Portugal Ventures, que, em 2015, tinha investido com a LC Ventures 750 mil euros no projeto. Agora, a Landing.Jobs olha para a expansão geográfica e num foco maior num tema que tem estado na ordem do dia por causa da nova estirpe do coronavírus, “o trabalho remoto” [trabalhar-se sem ter de ser estar no local de trabalho].

Ao Observador, Pedro Oliveira, cofundador da Landing.Jobs, assume que “esta série devia ter sido mais cedo”. Contudo, como “o plano de expansão internacional foi completamente mudado por causa do Brexit [a empresa estava a tentar expandir no Reino Unido]” em 2016, não aconteceu. Foi um “momento de aprendizagem”, diz. Agora, com este montante, o responsável da startup — juntamente com José Paiva, que é o presidente executivo da empresa –, afirma que o objetivo é apostar num crescimento que “suporte a expansão geográfica”. Para onde? “O interior do país”, como “no Fundão”, e cidades litorais como “Peniche, Sagres e Setúbal”.

Para celebrar este investimento, a empresa vai inaugurar oficialmente esta quinta-feira os novos escritórios em Lisboa, na Rua Braamcamp, n9. Pedro Oliveira lembra que este foi o mesmo local de onde saíram os primeiros cravos na revolução do 25 de Abril, de 1974. A história de “Celeste dos Cravos” (Celeste Martins Caeiro), a mulher que deu os primeiros cravos aos militares no dia da Revolução, “isso começou aqui”, refere Pedro. E continua: “Gosto de acreditar que não é uma mera coincidência”.

Não ficam por aqui [nos novos escritórios] as revoluções a sair da Landing.jobs para o mundo. A tecnologia vai revolucionar, e muito, a forma como trabalhamos. E a Landing.Jobs vai ser o instrumento para revolucionar milhares de carreiras e futuros”, promete Pedro Oliveira.

Além da aposta em Portugal, que estará “assente em Lisboa e no Porto”, a empresa quer continuar a “expandir para outros países”, uma ambição que tem sido referida desde 2019. Na Europa, Pedro Oliveira diz que o objetivo é continuar a trabalhar com empresas, e pessoas que queiram trabalhar com estas em “Espanha, na Alemanha, na Holanda, no Reino Unido e na Suíça”. Nesta aposta além fronteiras, Pedro Oliveira refere ainda que a Landing.Jobs quer expandir para os EUA e Canadá. Tudo isto “também a ligar ao interior [de Portugal]”. Com os serviços que a startup disponibilizar “uma empresa de Boston pode investir em Lisboa, no Porto, ou em Tomar também”, refere Pedro Oliveira.

Landing.jobs. Startup de recrutamento em tecnologia lança nova plataforma para projetos independentes

Com a expansão, a Landing.Jobs quer também “assegurar o papel de Portugal como centro tech da Europa e um dos centros mundiais do Remote Working [trabalho remoto]”. Desde 2014, a startup já ajudou a estabelecer “dezenas” de equipas de trabalho remoto para empresas como a Sky, Daimler e Volkswagen “e pretende continuar a fazê-lo atraindo profissionais internacionais para trabalhar a partir de Portugal”, diz a Landing. Jobs.

Atualmente, a empresa está a trabalhar em “várias parcerias” para facilitar formas de trabalho remoto. Contudo, como diz Pedro Oliveira, há também outra ambição para a Landing.Jobs: “Ajudar as empresas muito mais na retenção, não só no recrutamento”. Isto, ao mesmo tempo que expandem “o leque de ofertas”.

Não vamos resolver o futuro do trabalho, mas espero que possamos contribuir muito positivamente e com mais liberdade para o indivíduo”, refere Pedro Oliveira.

Com uma série A fechada, Pedro Oliveira já olha para uma série B, mas não diz para quando. A equipa, que agora tem 52 pessoas, deve crescer para 60 até ao final do ano. “Não acreditamos em contratar pessoas loucamente. Acreditamos em produtividade e preferimos fazer as coisas com mais calma”, diz.

O “Landing.Festival” passa a ser o “Future.Works Lisbon Tech Conference 2020”

A conferência tecnológica e de carreiras que a Landing.Jobs criou, o Landing Festival, mudou de nome para “Future.Works”. “Já não faz sentido ser uma feira de empregos”, diz Pedro Oliveira. “Tivemos de mudar o conceito”, continua, afirmando que o objetivo destas conferência é ser “estilo Web Summit, mas focado no conteúdo”.  O evento vai ter como propósito “falar sobre como [as empresas] se têm adaptado a processos, projetos e ambientes cada vez mais dinâmicos, em que a única certeza é o ritmo acelerado da mudança. E como isso vai ao encontro da tendência de as pessoas procurarem melhor qualidade de vida, com horários e locais de trabalho cada vez mais flexíveis”.

Landing Festival chega a Berlim e paga viagens a 200 pessoas

Para já, está confirmada a presença da Sky, Daimler e Volkswagen, clientes da Landing.Jobs. O “Future.Works Lisbon Tech Conference 2020” decorre de 29 a 30 de maio. Em 2019, o Landing.Festival contava com mais de 1.500 participantes.

A Landing.Jobs foi criada por José Paiva e Pedro Oliveira em 2014. Atualmente, a startup gere uma plataforma de recrutamento online para o setor das tecnologias de informação com o mesmo nome, e a Landing.Works, um projeto também focado em profissionais de tecnologia, mas numa vertente diferente: pretende facilitar a interação direta entre contractors (pessoas que têm a sua própria entidade e trabalham com apenas um cliente, a tempo inteiro e durante alguns meses ou mais do que um ano, diferente de um freelancer) e empresas.