Antecipando-se a medidas que estão a ser trabalhadas para todos os bancos, vários bancos anunciaram já esta  quarta-feira pacotes de medidas para apoias empresas e particulares num momento de”fortes constrangimentos de liquidez, resultantes da redução da atividade geral. Entre eles estão a Caixa, o BPI, o Santander e o Montepio. Veja as medidas de cada um.

Caixa Geral de Depósitos estica prazos de pagamento a empresas

As medidas da Caixa já estão disponíveis a pedido dos clientes, mas ponderando o fator risco associado, explica o banco liderado por Paulo Macedo.

Alargamento de prazos de pagamentos de créditos, que podem chegar aos cinco anos para o setor do turismo, e outros compromisso financeiros das empresas, como leasing, agilizar pedidos de renovação e limites de concessão de crédito, são algumas das iniciativas que a Caixa tem prontas para aplicar às empresas. Para os particulares, o banco admite avaliar eventual carência de capital até seis meses nos empréstimos de crédito à habitação, sobretudo. Estas medidas podem vir a ser reforçadas, admite o banco.

Empresas em geral

  • Reajustar pagamento de prestações mensais de créditos de médio e longo prazo por um período de seis meses
  • Prolongar os prazos de pagamento de financiamentos especializados em modelos de leasing para equipamentos mais atingidos pela atual crise por períodos adicionais de 12 meses.
  • Em articulação com as sociedades de garantia mútua promover o ajustamento das prestações dos financiamentos garantidos, igualmente de forma a aliviar o peso das prestações nos períodos críticos dos próximos meses;
  • Renovar planos de limites aprovados por prazos que podem ir até 180 dias, mantendo em vigor as disponibilidades de financiamento garantidas aos atuais clientes;
  • Simplificação dos mecanismos de prorrogação até 180 dias de todas as operações de curto prazo em vigor;

Estas medidas  também iniciativas desenhadas para setores específicos:

Setor social e saúde

  • Simplificar a decisão de prorrogação em 12 meses do prazo total de operações de leasing mobiliário que estejam em vigor e, em alternativa, introduzir períodos de carência até 12 meses.

Transportes

  • Alargar o prazo de pagamento dos leasings sobre viaturas ligeiras e viaturas pesadas períodos até 12 meses ou em alternativa introduzir períodos de carência até 90 dias;

Turismo

  • Além das medidas gerais antes enunciadas, alargar os prazos de vencimento até mais 5 anos, em função de avaliação pontual tendo presente aspetos específicos das empresas;
  • Criação de linhas de crédito e reforço das atuais linhas para conferir meios adicionais às empresas no âmbito das suas atividades, nomeadamente para aquisição de equipamentos informáticos e de telecomunicações no sentido de incrementar os meios disponíveis para Teletrabalho;
  • Aumentar até 30% os limites de factoring com recurso e notificado;

Outros

  • Pré-financiar as encomendas do Estado ou de grandes cadeias de distribuição, através dos mecanismos de crédito existentes, contribuindo para a manutenção das linhas de abastecimento das funções essenciais;
  • Manter em funcionamento, com grande simplificação dos processos e celeridade das decisões, todas as linhas de financiamento que a CGD dispõe, satisfazendo em tempo e capacidade as necessidades dos clientes.

Pequenos comerciantes

  • Isentar  do pagamento da mensalidade de todos os terminal de pagamento automático com faturação inferior a 7.500€ por mês até 31 de maio.

Além destas medidas e como forma de mitigar as quebras de tesouraria das empresas suas abastecedoras, a CGD antecipará este mês o pagamento a fornecedores no montante de 10 milhões de euros e manterá os pagamentos com prazos imediatos, após confirmação, nos próximos meses.

Particulares

  • Relativamente aos clientes individuais com crédito (habitação ou crédito pessoal), a CGD avaliará a eventual carência de capital até 6 meses, mediante pedido dos clientes e em condições de simplicidade de acesso, designadamente para o Crédito à Habitação.
  • Para titulares das Contas Caixa, todas as transferências realizadas através dos canais digitais serão gratuitas durante este período de crise.
  • Adicionalmente, para todos os clientes que sejam titulares de uma conta na CGD e que não sejam detentores de cartão de débito, a Caixa isentará a primeira anuidade durante este período de crise.

BPI anuncia isenções de comissões e mensalidades para comerciantes

O banco detido pelos catalães do Caixabank anunciou, pouco depois da Caixa, um conjunto de medidas que incluem “soluções de financiamento, isenções de comissões e mensalidades nos terminais de pagamento para comerciantes” e o “alargamento dos serviços nos canais digitais e automáticas”.

  • Linha Capitalizar 2018-COVID-19

A primeira medida que o BPI refere é uma linha de crédito, mais precisamente a Linha de Crédito Capitalizar 2018 – COVID-19, que foi lançada pelo Governo e que “já está a ser dinamizada proativamente pelo BPI junto dos clientes mais afetados pela pandemia”. A linha terá um prazo de vigência até 31 de maio de 2020, mas este prazo poderá ser alargado se for necessário.

“A linha prevê uma dotação de 160 milhões de euros para “Fundo de Maneio” e de 40 milhões de euros para “Plafond de Tesouraria”. com um montante máximo por empresa de 1,5 milhões de euros. Todas as empresas são elegíveis, independentemente da sua dimensão”.

  • Isenções nos Terminais de Pagamento Automático (TPA) para comerciantes

Neste caso, o BPI elimina a comissão mínima nas transações realizadas nos Terminais de Pagamento Automático (TPA). Mas o banco também decidiu suspender “a cobrança da mensalidade do terminal para comerciantes que encerrem a sua atividade por dificuldades temporárias. A isenção mantém-se enquanto o estabelecimento estiver fechado.

  • Alargamento dos serviços para empresas nos canais digitais e automáticos

O BPI está também a flexibilizar as formas de adesão ao homebanking de empresas – BPI Net Empresas – e alargar os serviços disponíveis nesse canal. Por outro lado, o Banco está igualmente “a fomentar a utilização de zonas automáticas” para as operações que habitualmente eram realizadas nos balcões e nos centros de empresas.

Sandander isenta pagamentos online

Comerciantes

O Santander suspende a cobrança da mensalidade dos POS e isenta a aplicação de um valor mínimo sobre as transações efetuadas. Para apoiar as transações “sem contacto” o Santander suspende também a cobrança de todas as comissões do serviço MBWay no POS.

Particulares

Para todos os clientes particulares, o Santander incentiva a utilização das suas plataformas digitais app ou netbanco, efetuando pagamentos “sem contacto”, cómodos e seguros. Para este efeito, todos os pagamentos efetuados nos canais digitais encontram-se isentos.

Para as compras presenciais, deve ser privilegiada a utilização da tecnologia contactless, e para este efeito, o Santander vai proceder à substituição de todos os cartões para a nova tecnologia sem qualquer tipo de comissões.

Estas medidas estão em vigor durante pelo menos um mês.

Montepio lança linha de crédito que permite antecipar fundos estatais

Setor social

O banco anunciou o lançamento de uma linha de crédito para assegurar mensalmente as necessidades de tesouraria das instituições da economia social, antes de recebem os fundos estatais. Esta modalidade permitirá a facilidade de descoberto autorizado, na conta à ordem, e funciona como uma conta ordenado para particulares.

O Montepio sublinha vantagens como a total flexibilidade de pagamento, ausência de prazo máximo e preçário único. Esta nova linha pode ser subscrita à distância e procura responder às necessidades de tesouraria das instituições do setor social. Funciona como uma modalidade de descoberto autorizado na conta à ordem, que pode antecipar a 100% os fundos estatais que recebem mensalmente.

Atualizado quinta-feira de manhã com informação do Montepio.