A tensão aumenta no sul de Itália, à medida que os encerramentos ordenados pelo governo, em resposta à pandemia, começam também eles a fazer as suas primeiras vítimas: são cada vez mais os relatos de pessoas que, por terem parado de trabalhar e por não o fazerem habitualmente de forma legal, não têm dinheiro nem apoios do Estado.

Ao mesmo tempo, multiplicam-se nas redes sociais e através de mensagens de voz difundidas por grupos de Whatsapp os incitamentos à rebelião e ao assalto de supermercados, escreve este sábado o Corriere della Sera, que fala em “bomba social” prestes a detonar.

Já terá começado a explodir, aliás: esta quinta-feira, dia 26, o Giornale di Sicilia revelou que a polícia e os carabinieri tiveram de intervir num supermercado Lidl de Palermo, depois de pelo menos 15 pessoas terem tentado sair com os carrinhos cheios de compras sem pagar. Os preços nas prateleiras não correspondiam aos impressos nos folhetos promocionais, foi o que explicaram depois de detidos.

No Facebook, um grupo fechado chamado “Revolução Nacional”, terá lançado entretanto um apelo: “Quem estiver pronto para a guerra no dia 3 de abril, escreva aqui e vamos ser um grupo. Para nos fazermos ouvir, temos de atacar os supermercados como fazem na Síria e em Espanha. O verdadeiro protesto é apenas isso, para que eles entendam a que chegamos”.

De acordo com o La Repubblica, que citou um documento do Ministério do Interior, a alertar para o “perigo potencial de revoltas e rebeliões, espontâneas ou organizadas, especialmente no sul de Itália, onde a economia subterrânea e a presença generalizada do crime organizado são dois dos principais fatores de risco”, as autoridades estão atentas e a tentar evitar o pior.

“Para além dos muitos, muitos que estão a viver este momento de crise com dignidade, há alguns grupos organizados, grupos de chacais e profissionais do crime, que promovem ações violentas e encontram uma montra fácil nas redes sociais”, veio a público dizer o presidente da câmara da capital siciliana, Leoluca Orlando. “São pessoas que, a partir das imagens, referências explícitas e apelidos que partilham nas suas páginas, comprovam e reivindicam a sua pertença ao submundo mafioso. Peço a todos os cidadãos que os denunciem às autoridades policiais, que denunciem as suas contas”.

A situação é de tal forma grave que Peppe Provenzano, o ministro para o Sul, admitiu em entrevista que tem medo e garantiu a tomada de medidas o mais rapidamente possível: “Tenho medo que, com a continuação da crise, as preocupações que grande parte da população está a ter com a saúde, o rendimento e o futuro se transformem em raiva e ódio. Existem áreas sociais e territoriais frágeis e expostas. O orçamento público deve cuidar de todo o tecido social. E tem de o fazer agora”. O governador da Campânia também já garantiu que vai ser preparado um programa de apoio especial — “Em alguns casos trata-se verdadeiramente de garantir o pão aos pobres”.

Será o caso do marido e da mulher que, esta semana, verbalizaram de forma bem audível o seu desespero em frente a uma dependência bancária, em Bari, também no sul do país: “Não temos mais dinheiro, não temos mais nada!”. O momento foi captado em vídeo, que foi depois partilhado nas redes sociais. Mais tarde, a família recebeu a visita de Francesca Bottalico, vereadora da câmara municipal com o pelouro da Assistência Social, que lhes levou dois sacos com compras e deixou uma promessa de ajuda: “Se tiverem problemas, não vamos deixar-vos sozinhos. Mas vocês têm de nos dizer”.

Outro vídeo, desta feita gravado em Nápoles, está também a tornar-se viral. “A minha filha está a comer um pedaço de pão com Nutella; se dentro de alguns dias a minha filha ou qualquer outra criança não puder comer esse pedaço de pão, vamos fazer uma revolução. Tem de dizer claramente quando vai chegar a ajuda e o dinheiro do fundo de despedimentos. Estou a dar a cara, porque nesta altura já nem quero saber se me prendem. Já passaram 20 dias e estamos a zero, o dinheiro desapareceu”, ameaça um homem, depois de mostrar a filha no enquadramento e de interpelar direta e “gentilmente” o primeiro-ministro, Giuseppe Conte.

Papà non le manda a dire

Ascoltate lo sfogo di questo papà che non le manda a dire: "CONTE, QUANDO ARRIVANO GLI AIUTI? NON SAPPIAMO PIÙ COME DARE DA MANGIARE AI NOSTRI FIGLI!"

Posted by Alessandro Morelli on Thursday, March 26, 2020