O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira mais medidas restritivas de liberdade de circulação e mobilidade, tal como já era esperado. As medidas vão incidir nos cinco dias das celebrações da Páscoa, de 5ªfeira 9 de abril, a segunda-feira 13 de abril. Os aeroportos nacionais vão fechar e as pessoas vão apenas poder deslocar-se apenas dentro do seu concelho de residência.

De acordo com o que foi apurado pelo Observador, os únicos voos que vão manter-se neste período da Páscoa são os de repatriamento e de transporte de cargas. A 17 de março, o Governo suspendeu todos os voos internacionais nos aeroportos portugueses, mantendo apenas os dos países de língua oficial portuguesa, da União Europeia, Estados Unidos, Canadá e África do Sul. Nessa altura foram ainda fechadas as fronteiras terrestres com Espanha, com nove pontos de passagem: Valença, Vilaverde, Quintanilha, Vilar Formoso, Termas de Monfortinho, Marvão, Caia, Vilaverde de Ficalho e Vila Real de Santo António.

Nesses mesmos cinco dias da Páscoa, os cidadãos ficam confinados ao concelho de residência permanente. Com exceções apenas para deslocações em trabalho. Entretanto, a Lusa avançou que durante os 15 dias do estado de emergência agora renovado, as deslocações de carro ficam limitadas a dois passageiros por veículo ligeiro — uma limitação que acabou por não ser aplicada, a não ser à capacidade dos transportes aéreos onde os voos terão de ser feitos a um terço da sua capacidade.

Artigo atualizado na medida que tinha sido avançada pela Lusa e que não se confirmou